Ações ambientais em pauta de discussão na FIEAM

O comprometimento da indústria amazonense com a questão ambiental no Estado e a situação da BR-319 (Manaus-Porto Velho) foram temas discutidos pelos diretores da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), em reunião nesta quinta-feira (26), junto com empresários e representantes das Coordenadorias de Meio Ambiente e Recursos Naturais (CMA) e de Assuntos Legislativos e Tributários (COAL), ligadas à instituição.

A sustentabilidade ambiental, e também econômica, segundo o presidente da FIEAM, Antonio Silva, não pode ser vista como inimiga, mas precisa ter um fortalecimento em sua gestão na cidade sem prejudicar o desenvolvimento econômico do Estado.

As políticas florestais ainda são consideradas assuntos “tabus” no Estado, segundo a coordenadora de Meio Ambiente, Recursos Naturais e Responsabilidade Social (CMARS), Renée Veiga. Os sindicatos atuantes na causa, segundo ela, não estão podendo trabalhar da maneira como deveriam por conta de entraves existentes em cima do manejo florestal do Estado.

“No Amazonas essa temática sempre foi muito complicada, porém agora o governo do Estado, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, decidiu dar um gás nesse setor e com isso iniciou as consultas públicas para elaboração de uma política florestal que é um dos passos para concessão florestal”, disse Veiga. Existem, segundo ela, três unidades de manejo florestal que já estão sendo trabalhadas e isso é uma perspectiva de que daqui a algum tempo possa haver um incremento e incentivo para o polo madeireiro funcionar de forma legalizada.

A recuperação da BR-319 foi outra questão apresentada pela coordenadora da CMARS na reunião. Para Renée Veiga, o principal empecilho que vem sendo verificado para a liberação da estrada, conforme reuniões e discussões junto ao Fórum Permanente da BR-319, não é mais a questão ambiental e sim o componente indígena.

“Estamos acompanhando todos os trabalhos que estão sendo desenvolvidos para que se possa finalmente chegar ao tão sonhado asfaltamento da BR-319, e percebemos que o problema, como sempre, está naquele trecho do meio. Mas hoje já estamos trabalhando isso para que se tenha algum andamento na causa”, explicou Veiga.

As ações sobre os recursos hídricos do Estado foram levantadas pela coordenadora como um dos assuntos prioritários para a indústria e tem sido trabalhado atrelado a ações do próprio governo e da Agência Nacional de Águas. “É necessário que se entenda que a água é um assunto prioritário para nós, mas que tem que ser trabalhado dentro das nossas possibilidades, não iremos nos furtar ao debate e entendemos a nossa responsabilidade sobre o assunto, mas temos que trabalhar de forma viável para todos”, ressaltou ela.

O presidente da FIEAM, Antonio Silva, anunciou na reunião que as coordenadorias operacionais vêm trabalhando junto com a assessoria econômica da instituição para levantar os pontos considerados chaves para formar propostas a serem entregues aos candidatos ao governo do Estado. A ideia, como em eleições anteriores, é obter o compromisso do futuro governante com temas importantes para o segmento industrial, como infraestrutura e meio ambiente.