Agência de Defesa Agropecuária apresenta videoconferência sobre doenças de notificação obrigatória em animais de produção

Com o objetivo de apresentar conceitos de defesa sanitária animal, no sentido de desenvolver a consciência crítica dos produtores rurais do Estado com relação às questões sanitárias de doenças que podem acometer animais de produção e também o ser humano, a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror), realizou, nesta sexta-feira (31/08), uma videoconferência sobre as doenças de importância sanitária nos rebanhos, destacando dentre elas a febre aftosa, a tuberculose e a brucelose.

A videoconferência foi transmitida através do Centro de Mídias de Educação do Amazonas (Cemeam), da Secretaria de Estado da Educação e Qualidade do Ensino (Seduc). Produtores rurais dos municípios de Beruri, Carauari, Coari, Envira, Humaitá, Lábrea, Parintins, São Paulo de Olivença, Tabatinga, Urucará, Manacapuru, Tefé, Santo Antônio do Içá e Novo Aripuanã participaram da transmissão. Durante a transmissão da videoconferência, ocorreu a interatividade dos produtores com perguntas e respostas.

Videoconferência – De acordo com o diretor-presidente da Adaf, Sérgio Muniz, o objetivo da videoconferência foi apresentar aos produtores rurais a necessidade de notificar ao serviço de defesa os sinais de doenças nos animais da propriedade rural. Nesse sentido, foram apresentados os impactos econômicos da ocorrência das doenças nos rebanhos e os malefícios ao ser humano, caso alimentos provenientes de animais infectados cheguem à mesa do consumidor.

“O objetivo de realizarmos esse treinamento é, primeiramente, treinar nossos colegas de trabalho e, em segundo lugar, fazer com que os criadores, que inclusive tiveram uma grande participação, transmitam essa informação para as comunidades onde eles atuam, não somente o técnico informando o produtor, mas também o produtor, que, uma vez informado, poderá compartilhar essa informação para a comunidade e assim poderá contribuir com o trabalho que a Adaf está fazendo”, comentou Muniz.

Sobre as doenças – A febre aftosa é uma doença causada por um vírus altamente contagioso, que acomete bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos, suínos e outros animais de cascos fendidos. Qualquer pessoa que verifique a existência de sinais clínicos – tais como salivação (babeira), claudicação (manqueira), vesículas (feridas) na boca, patas e úbere de bovinos, búfalos, caprinos, ovinos, suínos, além de outras espécies de casco fendido – deverá comunicar imediatamente a unidade mais próxima da Adaf.

Já a brucelose é uma zoonose transmitida pela carne e leite cru, que compromete a reprodução das fêmeas bovinas e bubalinas. Para o controle e erradicação da brucelose, o produtor deve vacinar obrigatoriamente as bezerras de 3 a 8 meses, com a vacina B19. No caso da não vacinação nesta idade, o produtor deverá realizar a vacinação da brucelose com a vacina RB51 nas fêmeas bovinas.

A tuberculose também é uma zoonose e acomete rebanhos bovídeos assim como outras espécies de animais, podendo ser disseminada pelo ar, urina e fezes. Portanto, as chances de infecção são maiores em rebanhos mais confinados. Toda suspeita dessas doenças é de notificação imediata e obrigatória junto à Adaf.

A videoconferência foi apresentada pelos médicos veterinários da Adaf, Gigliola Pontes, Daniela Mesquita (coordenadora estadual de epidemiologia) e Diego Laner (coordenador estadual do Programa de Sanidade Suídea – PNSS).

FOTO: DIVULGAÇÃO/ADAF