Alfredo da Matta celebra 63 anos comemorando nova estrutura de laboratórios

Alfredo da Matta celebra 63 anos comemorando nova estrutura de laboratórios

A apresentação da nova estrutura de laboratórios marcou o aniversário de 63 anos da Fundação de Dermatologia Tropical e Venereologia Alfredo da Matta (Fuam), comemorado nesta terça-feira (28/08). O espaço passou por reformas e modernização recente, realizada pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam), ampliando a estrutura para oferta de exames laboratoriais, realização de pesquisas e treinamentos em saúde. O evento comemorativo, realizado no auditório Damião Litaiff (sede da Fuam), contou com a presença do novo secretário da Susam, Orestes de Melo Filho.

Orestes de Melo Filho, que assumiu a secretaria nesta terça-feira, disse que a conclusão dos laboratórios é resultado de um processo iniciado desde outubro, pela atual gestão da Susam, para atender às necessidades da unidade, dentre as quais ele cita ainda o reforço no quadro de recursos humanos da Fuam. “Quero parabenizar a todos os servidores que fazem parte da história dessa instituição e que lutaram para fazer dela a referência que é. Estou feliz em estar aqui e ver que algumas adequações feitas nos laboratórios facilitaram e melhoraram ainda mais o que já vinha sendo feito aqui. É só o início de outras melhorias que vamos complementar”, disse o secretário, ao afirmar que a Susam prepara uma nova chamada de concursados, na qual pretende chamar mais servidores para o órgão.

Segundo Orestes, de 95 classificados para a fundação, já foram chamados 92.

De acordo com a diretora da unidade, Lucilene Sales, a Gerência de Laboratórios da Fuam foi totalmente reformada. Agora, conta com sete laboratórios – de Análises Clínicas; Micologia; Imunologia; Micobacteriose; Bacteriologia; Histopatologia e Citologia; e Biologia Molecular. Possui, ainda, duas salas de esterilização e cinco de coleta, localizadas em área de atendimento ao público. A reforma foi realizada com recursos do Ministério da Saúde e a aquisição de mobiliário contou com investimentos do Governo do Estado.

A cerimônia de comemoração dos 63 anos da Fuam também foi marcada pela apresentação de oito novos aprovados para o Curso de Mestrado Profissional em Ciências Aplicadas à Dermatologia, para o ano acadêmico 2018, e de novos médicos, convocados este ano pelo concurso público da Susam. São profissionais que irão reforçar o quadro de servidores e pesquisadores da unidade.

Também foram concedidas homenagens a servidores que contribuem para a história da Fuam. Esses profissionais foram escolhidos para representar o corpo de funcionários que se dedica diariamente a prestar assistência à população, na unidade.

Fuam: 63 anos dedicados à população – A Fuam nasceu como Dispensário de Lepra, por meio de convênio entre o Governo estadual e federal. O Dispensário Alfredo da Matta foi inaugurado num prédio pequeno, no bairro da Cachoeirinha, que ficou conhecido como “Casa Amarela”. O nome foi uma homenagem ao médico sanitarista Dr Alfredo da Matta, um dos pioneiros a trabalhar no controle e tratamento da doença no Amazonas.

Até metade da década de 70, doentes de Hanseníase eram trazidos para Manaus, passavam pelo Dispensário para registro e depois eram encaminhados para a Colônia Antônio Aleixo. Com a desativação da Colônia, em 1978, o Dispensário Alfredo da Matta ampliou sua atuação para prevenção e reabilitação de deformidades causadas pela Hanseníase, intensificando o atendimento ambulatorial. Em 1982, por meio de decreto, torna-se Centro de Dermatologia Tropical e Venereologia Alfredo da Matta, dando assistência, além da Hanseníase, a doenças dermatológicas e sexualmente transmissíveis.

Em 1992, o Ministério da Saúde reconheceu as contribuições para a Dermatologia Sanitária dadas pela Fuam e a credenciou como Centro de Referência Nacional para o Programa Nacional de Controle e Eliminação da Hanseníase e outras Dermatoses de interesse sanitário.

Em 1998, por meio de Lei Estadual, passou a ser uma Fundação de Direito Público. Assim, mudou o nome para Fundação de Dermatologia Tropical e Venereologia Alfredo da Matta. Neste ano, a Fuam também foi credenciada como Centro Colaborador da Organização Mundial de Saúde / Organização Pan Americana de Saúde (OMS/OPAS) para Controle, Treinamento e Pesquisa em Hanseníase para as Américas.

Monitoramento da Hanseníase – O combate à Hanseníase ainda é a principal atividade da Fuam, unidade que é referência nessa área. A cada ano as ações para controle desta doença são intensificadas em todo Estado, vencendo barreiras geográficas e chegando até o interior.

Com apoio dos municípios são realizadas as ações de monitoramento das atividades de combate à Hanseníase, intensificação da busca de novos casos da doença, qualificação de profissionais de saúde para o diagnóstico, tratamento, prevenção de incapacidades e autocuidado em pacientes. Também são realizadas cirurgias preventivas e corretivas, além de atendimentos em mutirões de saúde, como exames dermatológicos e consultas médicas.

Os profissionais de saúde – médicos, enfermeiros, assistentes sociais, técnicos e outros – são treinados e recebem atualização em Hanseníase periodicamente, seja em cursos presenciais ou via Telessaúde, na modalidade ensino à distância.

Em 2017, pela primeira vez na história da Fuam, todos os municípios amazonenses foram visitados por equipes da instituição, meta que deve se repetir neste ano de 2018, já que até o mês de agosto, 45 municípios já foram visitados e os demais já estão na agenda para o segundo semestre.

Ensino e Pesquisa – A Fuam também tem como missão desenvolver atividades de ensino e pesquisa, em suas áreas de atuação, especialmente em Hanseníase.

A instituição já está na segunda turma do Curso de Mestrado Profissional em Ciências Aplicadas à Dermatologia, uma parceria que deu certo com a Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Em 2018, por exemplo, foram 68 candidatos concorrendo a oito vagas. A turma iniciada em 2017 deve formar a primeira turma de mestres em 2019.

Outro destaque desta área é o Programa de Apoio à Iniciação Científica (PAIC), em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), que viabiliza bolsas de iniciação científica para jovens estudantes desenvolverem projetos de pesquisa em saúde.

Com 21 projetos de pesquisa em fase de execução – além de outros em aprovação e implementação – a Fuam tem estudos em áreas como novas drogas e resistência medicamentosa em Hanseníase, tratamento da Leishmaniose Tegumentar Americana, dentre outras.

Assistência ambulatorial – Além da Hanseníase, a Fuam também atende pacientes nas áreas de Dermatologia Tropical, câncer de pele e Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST e HIV/Aids).

Um dos destaques do atendimento ambulatorial neste ano de 2018 é o Serviço de Atendimento Especializado (SAE) – HIV/Aids, que assiste atualmente 582 pacientes. No SAE – Fuam o paciente realiza o exame para diagnóstico e caso o resultado seja positivo, dá-se início ao acolhimento com consultas de enfermagem, psicossocial e médica, para então iniciar o tratamento com os medicamentos adequados.

Todos os meses são cerca de 30 diagnósticos de HIV/Aids na Fuam, que também é Centro de Testagem credenciado pelo Ministério da Saúde. A maioria destes pacientes decide iniciar o tratamento na própria unidade.