Amazonenses que vão viajar em julho devem redobrar cuidados com a saúde, orienta especialista

Com a proximidade das férias escolares do meio do ano, algumas famílias amazonenses começam a se preparar para viajar. As escolhas mais comuns se concentram na região Sul do Brasil, ou em países como Argentina, Chile e Uruguai. Embora a ansiedade pelos momentos de diversão e descanso seja grande, quem vai visitar outra região, ou até mesmo outro país, deve estar atento aos principais cuidados com a saúde.

Um fator que influencia no aumento do fluxo de viagens do estado nessa época do ano é o verão amazônico. Muitas pessoas optam por lugares mais frios durante o mês de julho para fugir da onda de calor intenso, por exemplo. De acordo com o infectologista e consultor médico do Laboratório Sabin, Marcelo Cordeiro, quem vai se deslocar para essas localidades com temperaturas menores está mais sujeito às doenças de inverno. Entre as principais estão a gripe (de todos os tipos, inclusive H1N1) e a pneumonia.

O especialista recomenda que os viajantes se planejem corretamente para o passeio, para evitar surpresas desagradáveis nas férias. “É importante deixar em dia o cartão de vacinação e tomar as vacinas recomendadas para cada faixa etária. Além disso, é extremamente recomendável manter a higienização das mãos com álcool em gel”, explica.

A orientação é válida, especialmente, para quem vai passar grande parte do tempo em locais fechados e com fácil aglomeração. “O clima frio aumenta as chances de concentração de pessoas, o que facilita a transmissão das doenças respiratórias e pelo contato com superfícies contaminadas”, observa.

Para quem for viajar e quiser saber que doenças estão ocorrendo em uma determinada localidade, o site healthmap.org mantém em tempo real dados do mundo todo. Além disso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informa, em sua página na internet, a lista de países que exigem determinada imunização antes de viajar.

Planejamento

Marcelo Cordeiro também indica a procura por um serviço de orientação, como forma de aumentar os cuidados antes da viagem. Ao agendar uma consulta com um médico, por exemplo, deve-se informar para onde está indo, em qual época e quantos dias irá ficar no local.

Assim, o especialista consegue, a partir das doenças que estão acontecendo no destino do viajante, recomendar as vacinas e os cuidados necessários. Caso a pessoa apresente algum sintoma ao retornar de viagem, o procedimento deve ser repetido. “Ao avisar que estava em determinada região, é possível fazer um levantamento de quais doenças estão circulando lá e não estão circulando aqui no Amazonas. Esses cuidados facilitam o diagnóstico”, pontuou Cordeiro.

A consulta e avaliação médica, de acordo com o consultor médico do Sabin, são importantes para certificar se quem está prestes a viajar, ou já retornou de viagem, está realmente protegido. Os cuidados são válidos para crianças, adultos e idosos.

Foto ilustrativas – crédito: Pixabay