Após ataque, Bolsonaro continuará campanha pelas redes sociais; aliados o substituem em aparições públicas

Ainda sem previsão de alta, o candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), está em boas condições clínicas e não deve passar por novas cirurgias. O boletim médico do hospital Albert Einstein, em São Paulo, foi divulgado na manhã deste sábado (8).

O presidenciável foi transferido para a capital paulista depois de ser atendido na Santa Casa de Juiz de Fora (MG), após sofrer ataque durante ato de campanha em Minas Gerais, na tarde de quinta-feira (6). Ainda na cidade mineira, Bolsonaro passou por cirurgia para retirar parte do intestino grosso, atingido pela facada, para prevenir infecções.

Menos de 24 horas após o ocorrido, Bolsonaro escreveu nas redes sociais que está bem e se recuperando. Ele agradeceu primeiramente a Deus, seus familiares e aos médicos que ele diz serem essenciais para “continuar aqui na terra”.

Com previsão de internação de sete a dez dias, o candidato do PSL não deve mais participar de atos públicos. Ele vai seguir com a campanha através das redes sociais. Nas ruas, deve ser substituído por seus filhos, Flávio, candidato ao Senado pelo estado do Rio de Janeiro e Eduardo, deputado federal que busca a reeleição em São Paulo. Bolsonaro contará ainda com seu vice, General Hamilton Mourão, além de representantes do PSL.

O autor do atentado, Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, foi indiciado pela Polícia Federal (PF) pelo crime de “atentado pessoal por inconformismo político” com base na Lei de Segurança Nacional.

Com possibilidade de condenação com pena de três a dez anos de prisão, Adélio está sendo transferido para o presídio federal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Ele vai ficar isolado em ala destinada a réus colaboradores e presos protegidos pela justiça, ou com risco a integridade física.

Como ainda estará internado, Bolsonaro não vai participar do debate na TV Gazeta, nesse domingo (9). Os candidatos à presidência retomaram as agendas nesse sábado após cancelarem os compromissos de sexta-feira (7) para acompanhar o estado de saúde do adversário.

Reportagem, Clara Sasse