Bolsonaro afirma que Roberto Marinho apoiou governo militar e defende privatização da Petrobras

Jair Bolsonaro, candidato à presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL), afirmou nesta sexta-feira (3) em entrevista à GloboNews que, se eleito, pretende privatizar a Petrobras e que o economista Paulo Guedes conduzirá com total liberdade a política econômica do país.

Durante a entrevista, Bolsonaro falou sobre outros temas como armas, feminicídio, disse não ser homofóbico e que é contrário ao que chamou de “ideologia de gênero”, que, segundo ele, é ensinada nas escolas.

Ao ser questionado se houve ou não ditadura no Brasil, o candidato afirmou que a Globo e a Veja foram criadas na ditadura e recitou um editorial de “O Globo” assinado por Roberto Marinho, que defendia o legado da revolução que tirou o Brasil de uma ditadura comunista.

Ao final do programa, a Globo News deixou os microfones abertos para que Miriam Leitão fizesse um pronunciamento rebatendo a fala do político sobre o Grupo Globo. Mirian lembrou que o Grupo Globo publicou editorial em 2013 em que se desculpava e fazia mea-culpa em relação ao posicionamento da empresa na ditadura. Roberto Marinho morreu 10 anos antes, em 2003.

Reportagem, Talita Viana