Brasil cria mais de 33 mil vagas de emprego em maio

O governo federal anunciou nesta quarta-feira (20), que foram criadas 33.659 vagas de emprego com carteira assinada em todo o país no mês de maio. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged. O número de empregos criados é obtido através do cálculo dos empregos gerados menos o número de demissões. Em maio, por exemplo, foram realizadas 1.277.576 contratações e 1.243.917 demissões, o que resultou nesse saldo de 33.659 vagas criadas.

Mais de 33 mil vagas de emprego foram criadas no país em maio deste ano

Esse resultado, apesar de positivo, mostra uma diminuição de mais de 240%, se comparado com o mês de abril, quando foram criadas 115.898 vagas. Se comparado a maio de 2017, o saldo permanece quase igual: houve redução de 594 postos de trabalho em relação ao mesmo mês do ano passado, quando foram geradas 34.253 vagas.

Oito setores foram avaliados no Caged. Seis apresentaram saldo positivo e dois apresentaram fechamento no número de vagas. O setor agropecuário foi o que mais gerou vagas de emprego, com 29.302 postos criados. Em compensação, o comércio foi o setor com o pior desempenho. O saldo de empregos foi negativo em 11.919 vagas.

Segundo o governo, o salário médio de admissão em maio foi de R$ 1.527,11, enquanto a média na demissão foi de R$ 1.684,34. Ainda de acordo com o Caged, houve criação de vagas formais, ou seja, com carteira assinada, em quatro das cinco regiões do país em maio deste ano. A região Sudeste liderou, com a criação de 30.840 vagas formais. Em compensação, foram registradas 13.413 demissões na região Sul, que teve o pior desempenho.

Apesar da demonstração de recuperação da economia, o Brasil finalizou 2017 com um saldo de 20.832 postos de emprego fechados. Mesmo com os números negativos, o resultado foi o melhor dos últimos três anos. Em 2016, o país havia fechado 1.326.558 vagas, e em 2015, 1.534.989 postos.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes