Caminhoneiros desafiam governo: ‘Vai correr sangue’

“O caminhoneiro é uma pessoa rude, uma pessoa simples. Quando ele entra numa briga, é difícil de tirar ele dessa briga”, disse. “Então isso pode criar sérios transtornos. Espero que não”, disse o presidente da Abcam

O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, acredita que o governo não poderá acabar com a greve dos caminhoneiros. Segundo ele, o cenário poderá se tornar violento com o emprego do Exército e das forças policiais na liberação das rodovias bloqueadas.

“Ninguém vai conseguir tirar o caminhoneiro. Vai correr sangue nisso aí”, afirmou Lopes em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.
Apesar de dizer que vai fazer “o que for possível” para que o conflito não se acentue, Lopes diz o cenário pode virar uma “aberração”.

“O caminhoneiro é uma pessoa rude, uma pessoa simples. Quando ele entra numa briga, é difícil de tirar ele dessa briga”, disse. “Então isso pode criar sérios transtornos. Espero que não”, completa.

Durante pronunciamento nesta sexta-feira (25), o presidente Michel Temer disse que vai usar as forças federais para liberar as estradas bloqueadas pelos caminhoneiros e pediu que os governadores façam o mesmo. “O governo terá coragem de exercer sua autoridade em defesa do povo brasileiro”, disse o presidente.