Câncer de próstata: É possível reduzir as minhas chances de ter?

O Câncer de Próstata é o segundo tumor mais frequente nos homens, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma. No Brasil, segundo os últimos dados estatísticos, espera-se um total de 68.200 novos casos em 2018, com uma mortalidade em torno de 25%.

Por ser um câncer muito comum, há sempre uma grande busca por informação e muitos estudos científicos voltados para o tema. Mas será que podemos evitar esse câncer, ou ao menos reduzir o risco?

Vamos então recorrer ao que, de fato, já está consagrado na literatura médica para podermos responder essas perguntas.

Fatores de risco imutáveis
Podemos dizer que o câncer de próstata possui fatores de risco mutáveis e imutáveis. Os fatores imutáveis estão associados, basicamente, aos nossos genes e não temos como, obviamente, alterar a família biológica em que nascemos nem nossa cor de pele.

Histórico familiar
A história familiar está associada ao aumento do risco de câncer de próstata, mas, embora seja um fator de risco, sabemos também que cerca de 90% dos casos são esporádicos, sem o viés da hereditariedade.

Cor da pele
Indivíduos de pele negra possuem maior risco de desenvolver o câncer e, segundo os estudos, também são mais propensos a desenvolver tumores mais agressivos.

Fatores de risco mutáveis
Mas, a grande questão é que existem fatores voltados ao ambiente e estilo de vida que indicam uma possibilidade de redução de risco de acordo com hábitos mais saudáveis.

Um estudo epidemiológico publicado em uma grande revista científica em 2012 nos trouxe um dado muito interessante. Japoneses — que, sabidamente, possuem uma baixa incidência do câncer em relação aos ocidentais — que migraram para a Califórnia, passaram a ter maior chance de ser acometido pela doença, igualando às estatísticas americanas.

O estilo de vida e o câncer de próstata
Isso indica que, de alguma forma, fatores ambientais podem aumentar ou diminuir o risco. Mas o que realmente sabemos sobre esses hábitos ou estilo de vida?

Obesidade
A Obesidade é um fator que, consagradamente, aumenta o risco de câncer de próstata mais agressivo e ela pode ser melhor mensurada pelo que chamamos de IMC (índice de massa corpórea). Quanto maior, mais risco.

Colesterol
Os índices de colesterol, por sua vez, não demonstraram serem protetores ou promotores do tumor.

Fatores dietéticos
Em relação a fatores dietéticos, sabemos também que o álcool em excesso, mas também sua total abstenção, estão associados a tumores de maior risco e maior mortalidade. Existem vários estudos tentando relacionar o licopeno, presente no tomate, a um possível efeito protetor, mas ainda é um assunto que carece de dados mais consistentes.

Assim como o licopeno, a Vitamina E e o Selênio também são muito estudados como fatores benéficos, entretanto não há nenhuma indicação médica formal de reposição desses micronutrientes com intuito de prevenção do câncer.

Calvície e tabagismo
A calvície e o tabagismo estão associados há um risco maior de morte associada ao câncer. História prévia de gonorréia e história ocupacional podem estar associadas a uma incidência mais elevada. É importante frisar também que a vasectomia, após estudos mais recentes, não se comprovou como um potencial fator de risco.

Raios ultravioleta
Exposição a raios UV e circuncisão também foram relacionados com um certo grau de proteção e, curiosamente, a alta frequência ejaculatória está associada a uma diminuição de 20% no risco de câncer de próstata, de acordo com um estudo publicado em uma renomada revista científica em 2016, após atualização dos dados de longo prazo.

Importância dos hábitos saudáveis

Por fim, podemos dizer que realmente não conseguimos nos prevenir do câncer de próstata. Os fatores genéticos, como história familiar e cor da pele, continuam promovendo maior risco. Fatores ligados ao meio ambiente, estilo de vida e dieta podem sim ser alterados, e de alguma forma, podem ser importantes aliados na redução do risco. Dentre os principais fatores, poderíamos citar o combate a obesidade e ao tabagismo.

Dieta saudável, evitando produtos industrializados, também pode desempenhar um importante papel. Por isso, nós urologistas, além de estimularmos as visitas médicas periódicas, temos em mente que o combate ao câncer de próstata e também a outros muitos tumores se baseiam em hábitos saudáveis.

Entretanto, ainda que o câncer se instale tomadas essas medidas preventivas, a capacidade de resolução médica e maior chance de cura será sempre melhor em quem está em dia com sua saúde. Por mais repetitivo que pareça ser, a promoção de saúde e o combate ao câncer sempre vão levar em conta os hábitos saudáveis.