Candidatos protestam e MPC recomenda anulação de concurso da Seduc

Na manhã desta quarta-feira (11), dezenas de candidatos que fizeram o concurso da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) protestaram em frente à sede do Ministério Público de Contas (MPC), na Zona Oeste de Manaus, cobrando o cancelamento do processo. Ainda na terça-feira (10), o MPC já havia pedido a suspensão. O órgão recomenda que a Seduc suspenda imediatamente o concurso público ocorrido nesse domingo (8) em todo o Amazonas.

Durante coletiva de imprensa, a promotora de justiça Delisa Ferreira, titular da Promotoria Especializada nos Direitos Humanos da Educação, disse que vários candidatos estão procurando o órgão para denunciar irregularidades no concurso da Seduc. Entre os problamas apontados estão: atraso na chegada das provas nos locais de exame, troca de prova entre municípios, transporte irregular de malotes e malotes com lacres violados.

Ainda segundo Delisa Ferreira, a recomendação pela suspensão é necessária para que o Ministério Público e a própria Seduc apurem as irregularidades. Outro destaque da promotora de justiça, é que após ser recomendada, a Seduc tem um prazo de dez dias para responder as solicitações do órgão.

Questionada sobre o motivo do Ministério Publico não solicitar o cancelamento do concurso, a promotora afirmou que o órgão precisa apurar as denúncias.

Seduc divulda nota

Sobre a manifestação de candidatos que prestaram o concurso público da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (SEDUC), em frente ao Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), pedindo a anulação do certame, a SEDUC informa que entende como direito democrático de qualquer cidadão brasileiro protestar. Mas reafirma o compromisso com a lisura do Concurso Público 2018, que foi realizado no último domingo (8/7), e lembra que o Secretário de Educação, professor Lourenço Braga, tomou a decisão, ainda no domingo, de cancelar a prova para o cargo específico de professor regular – Ciclo 20h, Manaus –. A decisão ocorreu ao identificar um erro humano no manuseio de um dos malotes com as provas em uma sala do Centro Educacional de Tempo Integral (Ceti) Elisa Bessa.

A SEDUC se antecipou e cancelou as provas para o cargo com o objetivo de manter a lisura do certame. A SEDUC também registrou a ocorrência, no mesmo dia, no 30º Distrito Integrado de Polícia (30º DIP) e, agora, aguarda os desdobramentos da investigação.

A pasta também já definiu a nova data para a aplicação das provas para o dia 22 de julho.

A SEDUC reafirma que tem tratado o caso com total transparência, inclusive, o secretário convocou coletiva de imprensa na manhã de segunda-feira para prestar todos os esclarecimentos necessários sobre o concurso.

A pasta também está totalmente aberta em colaborar com qualquer questionamento feito pelos órgãos de fiscalização.