Como evitar a morte de 7 milhões de pessoas por ano?

BRASÍLIA, DF, BRASIL, 30-05-2014, 11h30: Fumante. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Especialista alerta para a principal causa de morte evitável do mundo

O consumo de tabaco é a principal causa evitável de mortes em todo o mundo, matando 7 milhões de pessoas por ano, segundo levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS). O número é alarmante e, de acordo com a organização, gera gastos absurdos para a economia, totalizando mais de US$ 1,4 trilhão em custos de saúde e perda de produtividade.

Os especialistas são unânimes em afirmar que prevenir o início do fumo é a forma mais eficiente de combater o tabagismo e todas as consequências negativas relacionadas a ele. Dentre todos os tratamentos e recomendações que visam diminuir o número de fumantes, Dr. Almeida garante que é preciso manter esforços para continuar a queda no número de fumantes. “Tivemos um impacto positivo das estratégias nas últimas décadas, com redução significativa na prevalência de fumantes. É muito importante mantermos uma política que desestimule o início do tabagismo e que dê suporte para a cessação do mesmo”, recomenda.

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar do IBGE, realizada em 2015, 18,4% de jovens no ensino fundamental já experimentaram cigarro, e uma cada 14 jovens de 18 a 24 anos são tabagistas. Essa prevalência sobe para 10,4% entre adultos de 24 a 44 anos e para 12,7% entre adultos de 45 a 64 anos. No geral, entre 1989 e 2015, a prevalência caiu de 34,8% para 10,4%, que significa uma redução de 70%.

Parar de fumar não está na lista de missão impossível, mas está entre uma das mais difíceis que alguém possa enfrentar. “A dificuldade no ato de parar de fumar vai além da dependência química. O cigarro assume uma função importante na vida das pessoas e superar essa falta não é uma tarefa fácil”, explica Almeida.

Um estudo britânico publicado pela Sociedade Europeia de Cardiologia diz que abandonar o tabaco é benéfico em qualquer idade e nunca é tarde demais para parar. A análise demonstra que a expectativa de vida de um fumante em comparação com um não-fumante chega a 10 anos, mas vai se reduzindo quanto maior o tempo da cessação do tabagismo.

Os números são alarmantes e preocupam ainda mais quando pensamos tanto nos fumantes ativos, quanto nos fumantes passivos – aqueles que ‘apenas’ inalam a fumaça que sai da ponta do cigarro –. “Os malefícios do tabaco se estendem também àqueles – adultos e crianças – que involuntariamente inalam o fumo dos mais próximos e aprendem que fumar é algo natural, aumentando as chances de se tornarem fumantes no futuro”, comenta o médico.

Não é novidade que a inalação da fumaça pode causar efeitos sérios em curto e longo prazo, como problemas respiratórios e aumento do risco de câncer de pulmão. Porém, apesar da absorção respiratória, o maior risco que o tabagismo traz é para o sistema cardiovascular. Em conjunto com outros fatores de risco bastante comuns como o sobrepeso, sedentarismo e alterações do colesterol, o tabagismo aumenta o risco de a pessoa desenvolver doenças como a aterosclerose, que podem causar o infarto e derrame. Por isso a importância de se avaliar o risco cardiovascular frequentemente, incluindo a avaliação do estilo de vida, exames laboratoriais e orientação quanto ao risco do tabagismo, bem como a definição de estratégias para buscar sua cessação.

Para os que não fumam, não iniciar o vício é o caminho ideal. Já para os que desejam parar de fumar, a tarefa pode se tornar mais fácil com o estabelecimento de metas claras e objetivas, além da adoção de um tratamento e uma postura decidida quanto aos benefícios que podem ser obtidos a longo prazo.

Sobre a Hi Technologies

Empresa de tecnologia voltada para a área médica, a Hi Technologies foi fundada em 2004 pelos então estudantes de Engenharia da Computação da PUCPR Marcus Figueredo e Sérgio Rogal, e em 2016, a Positivo Tecnologia adquiriu 50% da Hi. Do início na Incubadora Tecnológica de Curitiba (Intec), a empresa evoluiu nos últimos anos ao desenvolver soluções médicas em sinergia com a missão de reinventar e humanizar a tecnologia do setor. Além da plataforma Milli, um oxímetro de pulso que funciona como um tablet capaz de medir os sinais vitais, a Hi Technologies ofereceu à população o serviço Hilab.

O dispositivo Hilab, desenvolvido com tecnologias Microsoft e Intel, revoluciona o mercado ao introduzir uma nova categoria em análises clínicas que associa internet das coisas e inteligência artificial para entregar, em apenas alguns minutos, resultados de exames laboratoriais validados e assinados digitalmente por uma equipe de biomédicos. Com a missão de democratizar à saúde, as soluções da Hi Technologies são usadas por mais de 110 hospitais em 22 estados do Brasil, além de consultórios e instituições de 15 países, como Estados Unidos, Israel e Canadá. É vencedora de diversos prêmios nacionais e internacionais, entre eles o Prêmio Nacional de Inovação, na divisão Inovação Tecnológica, pela Confederação Nacional da Indústria e pelo Sebrae. Em 2018, A Hi Technologies se uniu ao Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) para somar esforços, quebrar barreiras e engajar jovens no debate sobre HIV e sexualidade.