Delegacia de Homicídios ainda não tem pistas de criminosos que mataram covardemente parintinense que estava indo para a igreja em Manaus

Foto - acervo familiar

A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) ainda não tem pistas dos criminosos que mataram covardemente com um tiro nas costas, o administrador de empresas parintinense João Paulo Guimarães. O crime ocorreu na noite do último sábado (01), após tentativa de assalto em uma parada de ônibus na Rua Rio Paraguai, no bairro Novo Aleixo, Zona Norte de Manaus, por volta das 19h.

De acordo com testemunhas, João Paulo tentou fugir dos criminosos quando o assalto foi anunciado. Antes, os assaltantes já haviam observado que a vítima caminhava sozinha e voltaram para cometer o crime. João Paulo falava com o pai dele, por telefone, no momento em que foi baleado. Ele recebeu um tiro nas costas. Os assaltantes que estavam em uma motocicleta fugiram. João Paulo ainda foi levado consciente para o Hospital e Pronto Socorro João Lúcio, na zona leste de Manaus, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade de saúde.

Um parente que pediu para não ter o nome divulgado contou que o jovem estava esperando o ônibus para encontrar a namorada em uma igreja no bairro Novo Aleixo. Ele conversava tranquilamente por telefone com o pai dele que havia vindo de Parintins e se recuperava de uma cirurgia em um dos olhos. “Ele estava feliz e queria saber como pai dele estava. No meio da conversa, o telefone de João Paulo silenciou”, disse o parente.

João Paulo tinha 31 anos e foi levado para Parintins. O sepultamento ocorreu nesta tarde (04) no Cemitério São José, na Ilha Tupinambarana.