Equipe da DEHS recaptura foragido da cadeia pública investigado por homicídio

Frednilson Sousa Ribeiro
Frednilson Sousa Ribeiro

A Polícia Civil do Amazonas, por meio de servidores lotados na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), prendeu na tarde de quarta-feira, 25, por volta das 14h30, Frednilson Sousa Ribeiro, 25, conhecido como “Lágrima”, em cumprimento a mandado de prisão, expedido no dia 24 de março deste ano, pelo juiz Caio César Barbosa Catunda de Souza, do Plantão Criminal.

De acordo com o delegado titular da DEHS, Ivo Martins, “Lágrima” foi preso pela equipe de investigação da especializada no momento em que caminhava pela Rua Carauari, bairro Redenção, zona Centro-Oeste de Manaus.

O rapaz estava sendo investigado pelos policiais civis por envolvimento no homicídio de Gustavo Mendonça de Carvalho, ocorrido às 22h do dia 10 de janeiro deste ano, na Rua 9 do bairro Alvorada 1. A vítima, que era conhecida como “Gugu”, tinha 18 anos na época do crime.

Frednilson estava foragido desde agosto de 2014 da Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde cumpria pena por tráfico de drogas. Ele teria deixado o local perto do Dia dos Pais e não retornou à unidade prisional.

Durante coletiva de imprensa realizada na manhã desta quinta-feira, 26, na sede da DEHS, o delegado Ivo Martins declarou que uma rixa antiga entre Frednilson e Gustavo teria motivado o delito. “Os dois mantinham uma rixa e meses antes do crime “Gugu” teria alvejado “Lágrima” na perna”, explicou.

Ivo Martins informou ainda que Frednilson estava na companhia de um homem identificado como Jaime, o “Bebê”, morto no dia seguinte ao delito por amigos de “Gugu”. “Na ocasião, “Lágrima” pegou a arma de Jaime e efetuou dois disparos no abdômen da vítima. Frednilson chegou a ir ao hospital onde a vítima estava internada para confirmar a morte”, disse.

Em depoimento, “Lágrima” disse que a rixa começou em um campo de futebol, porque “Gugu” jogava armado e ameaçava muitas pessoas de morte. “Decidi matar Gustavo porque ele começou a ligar para minha mãe, falando que iria me matar”, argumentou.

Ao término dos procedimentos legais realizados na unidade policial, ele será encaminhado à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro da cidade, onde ficará à disposição da Justiça.

Compartilhe