“Eu quero ser presidente e a marca que eu gostaria é do emprego e renda”, diz Alckmin em entrevista

O pré-candidato à Presidência pelo PSDB nas eleições deste ano, Geraldo Alckmin, concedeu entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta segunda-feira (23). O tucano falou sobre diversos assuntos durante a sabatina, entre eles a recente aliança com partidos do chamado “centrão”, a volta do imposto sindical e seus planos para os setores da economia e segurança.

Alckmin defendeu que, caso venha a ser eleito, irá priorizar a geração de empregos e renda para a população.

“Eu quero ser presidente e a marca que eu gostaria é do emprego e renda. Para voltar a crescer, o Brasil precisa ter investimento. E investimento é confiança, então fazer sair do marasmo, fazer reformas estruturantes, simplificação tributária, reforma da previdência, para ter um sistema justo”.

Durante a entrevista, o tucano defendeu a necessidade das reformas políticas, econômicas e tributárias no país. Alckmin também disse que pretende investir na educação básica, caso seja eleito. O pré-candidato afirmou que pretende ser reconhecido como o “presidente da primeira infância”, ao fazer referência à necessidade de investimentos na educação para crianças de zero a seis anos.

Alckmin também afirmou que as pesquisas com a intenção de votos neste momento não mostram a realidade do que irá acontecer nas urnas em outubro. O pré-candidato também falou sobre a vaga de vice em sua chapa. Segundo ele, Josué Alencar, filho do ex-vice-presidente José Alencar, é um grande nome, mas dificilmente será o seu vice.

O tucano falou sobre a aliança fechada nos últimos dias com o “centrão”, formado por DEM, PP, PR, Solidariedade e PRB. Segundo ele, o bloco foi cobiçado por todos os candidatos e, com a aliança, ele terá mais governabilidade, caso venha a ser eleito.

“Foi um bloco. São cinco partidos que decidiram unanimemente, os cinco me apoiar. Todo mundo disputou. Eu ganhei. Todo mundo disputou. E por que que nós queremos a aliança? Porque ela vai nos dar possibilidade de fazer uma campanha que vai nos dar melhor e vai nos dar governabilidade”.

Durante a entrevista, Alckmin negou que tenha concordado com a volta do imposto sindical, extinto pela reforma trabalhista aprovada durante o governo de Michel Temer. Segundo o tucano, “não há a hipótese da volta do imposto sindical”. O pré-candidato ainda declarou que considera os seis primeiros meses de governo essenciais e que o primeiro ano de governo é fundamental para o restante do mandato.

Alckmin ainda criticou a quantidade de obras paralisadas e abandonadas em todo o país e o tamanho do Estado brasileiro. O pré-candidato defendeu a necessidade de uma reforma e citou como exemplo a grande quantidade de empresas estatais no país, além de criticar o desperdício de recursos públicos.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes