Falta médicos em áreas indígenas do alto Solimões

Nem o salário de R$ 15 mil reais serve de atrativo para chamar atenção de médicos brasileiros que queiram trabalhar em municípios da região do alto Solimões. Primacialmente, para nas aldeias indígenas. O coordenador de saúde indígena da região, Weidson Pereira, disse que mesmo pagando o valor, nenhum médico quer trabalhar nas áreas. A situação só não está pior por conta de médicos estrangeiros que resolveram atuar por lá, por meio do programa Mais Médicos. 30 profissionais formaram contrato e estão na ativa, mas profissionais brasileiros, não demonstram interesse.