FIEAM e Eletros discutem competitividade da ZFM

O apoio da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros) à defesa das vantagens comparativas da Zona Franca de Manaus foi ressaltado pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), Antonio Silva, em evento comemorativo aos 24 anos de atuação da entidade nacional, na última sexta-feira (24), na sede da Federação.

A atuação representativa da Eletros no desenvolvimento do setor industrial, em especial na defesa das garantias constitucionais da ZFM, assegurando a presença de uma indústria de ponta em Manaus e contribuindo para o desenvolvimento não só do Amazonas, mas de toda a Amazônia Ocidental, para Antonio Silva, auxiliam nas tentativas de alteração, junto à FIEAM, das regras tributárias que afetam o planejamento e inibem a atração de investimentos não só na Zona Franca mas em todo o Brasil.

“Há muitos exemplos de corporações mundiais que desistiram de investir no País devido às incertezas sobre as regras, especialmente no estabelecimento de maneira rápida de Processos Produtivos Básicos. Perderam o Amazonas e o Brasil”, disse Silva reforçando que devemos mostrar ao país as peculiaridades de um modelo centrado na concessão de incentivos para a produção.

No Amazonas, segundo dados apresentados pelo presidente da Eletros, José Jorge do Nascimento Júnior, a entidade conta com cerca de 30 empresas associadas estando 17 delas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM): Panasonic, Philco, Samsung, Semp TCL, Sony, Tec Toy, TPV, Whirlpool, Agratto, Canon, Daikin, Electrolux, Elgin, Elsys, LG Electronics, Midea Carrier e Mondial. Presente em 11 estados do Brasil e em 29 cidades, a Eletros possui ao todo 47 unidades fabris, segundo Jorge Júnior.

“É importante frisar que a Eletros não é uma entidade do estado do Amazonas, ela é nacional, então a gente tem que ter um dinamismo no discurso nacional, temos empresas instaladas no Ceará, Bahia, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e não temos como focar somente em um estado, mas posso dizer que com o conhecimento que tenho e carrego, quando for discutida uma política industrial nacional, terei uma visão do que é possível ser aplicado na região amazônica e isso será um grande diferencial”, explicou ele.

Com 3.3% do PIB industrial, a Eletros gerou em 2017 o total de 115,5 mil empregos diretos e indiretos (128,1 mil até junho de 2018), segundo Nascimento Júnior, dos quais 40% foram gerados na ZFM, o que faz do segmento um dos mais importantes do PIM, sendo responsável por cerca de 30% do faturamento e 30% da geração de emprego no setor industrial do Amazonas.

“O faturamento da Eletros em 2017 foi de R$ 41,40 bilhões e isso significa milhões de reais pagos em impostos, porque quando se fala em faturamento das empresas se pensa só em dinheiro no bolso, porém as pessoas esquecem que quanto maior o faturamento, maior o pagamento de impostos e nisso há uma relação direta com geração de emprego também”, pontou ele.

O evento em comemoração aos 24 anos de atuação da Eletros contou com a presença do presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco, secretário de Estado de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação, João Orestes, e representantes das 17 empresas associadas à Eletros instaladas em Manaus.

Compartilhe