Governo central tem déficit primário de R$ 32,8 bilhões no primeiro semestre

As contas do governo central – composto pelo Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social – registraram um déficit primário de R$ 32,8 bilhões no primeiro semestre de 2018. A informação foi divulgada nesta sexta-feira, pela Secretaria do Tesouro Nacional.

O desempenho é o melhor desde 2015, quando o déficit apresentado foi de R$ 3,913 bilhões na série com valores correntes. O déficit primário é a diferença entre receitas e despesas do governo. Vale ressaltar que os gastos com o pagamento de juros da dívida pública não são incluídos nessa conta.

O déficit primário referente a junho deste ano atingiu R$ 16,4 bilhões e superou o resultado apresentado no mesmo mês de 2017, quando houve resultado negativo de R$ 19,8 bilhões.

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, explica que um dos fatores que influenciou a queda referente ao ultimo mês foi a antecipação do pagamento de algumas contas.

“Parte dessa queda do déficit no mês de junho, especificamente, está ligado ao fato de que, neste ano, houve antecipação do pagamento de precatórios e sentenças judiciais. No ano passado, o pagamento de precatórios e sentenças judiciais ocorreu em maio e em junho. Neste ano, ocorreu em abril e em maio.”

O resultado do balanço é favorável para o governo cumprir a meta fiscal de 2018. Para este ano, o déficit está autorizado em R$ 159 bilhões.

De maneira geral, o desempenho do governo central foi negativo tanto nas receitas quanto nas despesas. Porém, foi notada uma queda mais rápida no volume de gastos.

Enquanto as despesas diminuíram 5,3%, chegando a R$ 105,2 bilhões, a receita líquida total registrou recuou de 2,3% em junho em termos reais, contra o mesmo mês de um ano antes, e somou R$ 88,3 bilhões.

Ainda segundo o governo, as receitas com concessões ficaram estáveis no período entre janeiro e junho. O valor percebido foi de R$ 2,6 bilhões.

Reportagem, Marquezan Araújo