Greve dos caminhoneiros pode submeter milhões de animais à fome

As consequências vão desde a superlotação em granjas à pausa repentina no abastecimento de ração

São Paulo, 24 de maio de 2018 – A World Animal Protection alerta que as paralisações nas rodovias de ao menos 20 estados brasileiros – devido à greve dos caminhoneiros, nesta semana – começam a ameaçar o bem-estar dos animais. A situação afeta principalmente suínos e aves. Em nota, a BRF declara que já detectou falta considerável de abastecimento de ração destinada aos animais alojados em seus produtores rurais parceiros, já impactando cerca de 1 milhão de animais e podendo alcançar a totalidade de seu plante nos próximos dias.

Os produtores contam com estoque de suprimentos pequeno, que atende apenas alguns dias. Por isso, essa pausa repentina no abastecimento causa fome a milhões de animais. “Não há medidas para liberarem cargas de ração, não existe nenhuma mobilização nesse sentido”, declara José Rodolfo Ciocca, gerente de Agricultura Sustentável da World Animal Protection.

Em nota, a Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA) informa que “os prejuízos para o setor produtivo e para o País são incalculáveis”. “Os bloqueios impedem o transporte de aves e suínos vivos, ração e cargas refrigeradas”.

Superlotação em granjas

A interrupção no transporte afeta também o funcionamento de frigoríficos, que tiveram que paralisar suas atividades por falta de combustível e outros insumos. A Cooperativa Central Aurora Alimentos comunicou nesta terça-feira, 22, que vai paralisar totalmente as atividades das suas indústrias de processamento de aves e suínos em Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, inicialmente, nesta quinta-feira e sexta-feira. Já a BRF paralisou quatro unidade e nove frigoríficos. Com o fim dessas atividades não há abate de suínos e aves, o que impacta negativamente as condições de alojamento de milhões de animais.

Como existe uma forte integração com as granjas, a interrupção repentina do abate, seja por qualquer motivo, acarreta em um acúmulo de animais nessas propriedades. Isso gera um sofrimento intenso, pois reduz o espaço para cada animal e aumenta os problemas relacionados ao bem-estar e saúde deles.

Da criação ao abate

Para a equipe brasileira de Agricultura Sustentável da World Animal Protection, as notícias dos últimos dias revelam falta de cuidado e preparo da cadeia produtiva para lidar com situações inesperadas como esta greve, que afeta diretamente os animais.

“É necessário que autoridades e a cadeia produtiva elaborem, urgentemente, um plano de contingência nacional. Pensando não apenas em questões sanitárias, mas, sim, no bem-estar daqueles animais que não conseguem se livrar desta situação, pois estão sob nossa tutela”, destaca José Rodolfo Ciocca.