Inflação desacelera e fica em 0,33% em julho

A inflação brasileira recuou no mês de julho. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA, ficou em 0,33% no mês passado. O número ficou quase um ponto percentual abaixo do índice registrado em junho, de 1,26%.

O IPCA alto registrado há dois meses foi motivado pela paralisação dos caminhoneiros, que durou onze dias e teve início no fim de maio. É o que explica o Gerente de Índices de Preços ao Consumidor do IBGE, Fernando Gonçalves.

“No mês passado, a inflação veio com 1,26% sob o impacto dessa paralisação dos caminhoneiros. Para os números desse mês agora, refletiram uma desaceleração em relação ao mês passado, com uma taxa de 0,33%, principalmente nos itens para a alimentação no domicílio”.

Inflação registrada em julho foi de 0,33%

O custo da energia elétrica teve alta de 5,33% em julho e foi o principal fator de impacto na inflação no mês. No setor de transportes, a alta registrada foi influenciada pelos preços das passagens aéreas, que subiram 44,51%, e do ônibus interestadual, com 8,7%.

Por outro lado, houve queda nos preços dos combustíveis, de 1,8%. O setor de alimentação e bebidas registrou queda de 0,12% em julho. Os principais recuos foram na cebola (33,5%), batata-inglesa (28,14%), tomate (27,65%), frutas (5,55%), e carnes (1,27%).

Segundo o Gerente de Índices de Preços ao Consumidor do IBGE, Fernando Gonçalves, os setores de alimentações e transportes contribuíram para a contenção da alta do IPCA registrado em junho.

“A batata, cebola, tomate, tiveram deflação, com queda de mais de 30% em alguns casos. Outro item importante, também, no consumo das famílias, o grupo dos transportes, que afetou bastante o índice no mês passado, foi a gasolina e o etanol, os combustíveis, esse mês vieram com deflação, ajudando a conter essa alta”.

O IPCA é utilizado pelo Banco Central como medidor oficial da inflação do país. O governo usa o IPCA como referência para verificar se a meta estabelecida para a inflação está sendo cumprida. Para 2018, a meta central de inflação é de 4,5%, com teto de 6,5%.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes