Inpa apresenta tecnologias de alimentos na 70ª Reunião Anual da SBPC

Evento ocorrerá durante uma semana na Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió

Aproveitar as potencialidades da biodiversidade amazônica transformando em produtos e tecnologias que possam gerar renda e melhoria de vida para a população. É isso que o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) tem feito com várias frutas e plantas da região. São cereal matinal de açaí e de pupunha, vinagre de cubiu, camu-camu desidratado (liofilizado) e biofilme de cará.

Referencia mundial nos estudos de biologia tropical, o Inpa participa a partir deste domingo (22) da 70ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e o público poderá conferir de pertinho projetos de pesquisa e extensão, palestras e exposições do Inpa e de várias universidades brasileiras.

“Vamos levar pesquisas que são muito importantes para a sociedade. No caso das tecnologias de alimentos, os resultados mostram a importância de superalimentos como o camu-camu, rico em vitamina C, para a proteção da saúde, recuperação da saúde, e que todos podem conhecer, manipular e visualizar”, disse a coordenadora de tecnologia social Denise Gutierrez.

A reunião Anual da SBPC é o maior evento de divulgação científica da América Latina e ocorrerá até o dia 28 de julho, na Universidade Federal de Alagoas (Ufal), em Maceió. O tema deste ano é “Ciência, Responsabilidade Social e Soberania”. São mais de 250 atividades com a participação de pesquisadores renomados e gestores do sistema nacional de C&T.

De acordo com a pesquisadora do Inpa Francisca Souza que trabalha em parceria com o pesquisador Jaime Aguiar, os resultados mostram que é possível aproveitar frutos presentes na Amazônia de forma tecnológica, agregar valor, melhor o potencial nutricional dos alimentos, além de aumentar o tempo de prateleira para torná-los viável para indústria.

“O cereal matinal é um aproveitamento tecnológico do alimento e que atua no controle do colesterol”, contou Souza. “Já o biofilme de cará é feito da fécula, mostrando grande potencial para ser usado na proteção de alimentos de forma geral, é biodegradável, e pode ser consumido junto com o alimento”, completou a pesquisadora.

Ainda no estudo com alimentos, o Inpa levará a sopa desidratada de piranha, frutos nativos in natura e amostras de sucos como o cubiu. Também apresentará amostras de outros resultados de pesquisas como objetos de madeira caída, incluindo o Ukulelê e a presença de membros do grupo Ukulele de Manacapuru, macrofungos, livros, cartilhas e folders diversos.

Nos três estandes temáticos do MCTIC que o Inpa estará presente – bioma e clima, popularização da ciência e inovação – o visitante poderá ver vídeos institucionais e ouvir ao som ambiente o “canto” de várias espécies de pássaros presentes na Floresta Amazônica que fazem parte do CD Vozes da Amazônia Brasileira.

Da Redação – Ascom Inpa