Irmã de Ciro Gomes recomenda boicote ao MDB

(Foto: Roosewelt Pinheiro/Agência Brasil)

A candidata a deputada estadual no Ceará pelo PDT, Lia Gomes, irmã do presidenciável Ciro Gomes, recomendou boicote ao MDB durante evento com trabalhadores rurais no município de Varjota, no Ceará.

“Não vote em ninguém que comece com 15. Nem senador, nem vereador, nem presidente, nem deputado federal ou estadual. Risque o 15 da lista de vocês, que vocês vão estar no caminho”, afirma Lia Gomes no vídeo.

Em outro trecho, ela diz que é preciso acabar com a “velha política”. Sua família, entretanto, faz de parte uma verdadeira oligarquia. O domínio político da família Ferreira Gomes no estado do Ceará começou ainda no século 19. Logo na origem do município de Sobral, os dois primeiros prefeitos foram antepassados de Ciro Gomes.

Após um período longe do poder, a família voltou em 1935, quando outro parente de Ciro, Vicente Antenor Ferreira Gomes, foi prefeito por nove anos, até 1944, durante o governo de Getúlio Vargas.

Entre 1944 e 1977, a família se manteve afastada do poder e da política. Até que o pai de Ciro e Cid, José Euclides Ferreira Gomes, que era defensor público, voltou à chefia do Executivo municipal entre 1977 e 83.

O candidato ao Palácio do Planalto pelo PDT, Ciro Gomes, disputou as primeiras eleições em 1982, para deputado estadual. Desde então, já foi deputado federal, prefeito de Fortaleza, governador do Ceará, ministro por duas vezes, além de secretário de Saúde do Ceará.

Reportagem, Thiago Marcolini