Liberdade de Lula é alvo de críticas dos pré-candidatos à presidência

© REUTERS/Leonardo Benassatto

O pedido de liberdade de Lula, aceito pelo desembargador plantonista do TRF4, Rogério Favreto, dividiu as opiniões dos pré-candidatos à presidência da República. Lula teve, entre eles, quem o defendesse, mas a maioria dos postulantes ao Planalto se posicionou contra a liberdade do ex-presidente.

Henrique Meirelles, do MDB, por meio de sua assessoria, disse que “respeita as decisões judiciais de última instância” e que “o sistema judicial é o pilar da democracia”.

Marina Silva, da Rede Sustentabilidade, afirmou nas redes sociais que “juiz não sendo natural na causa e plantonista não deveria provocar turbulências políticas que coloquem em dúvida a autoridade de decisões judiciais colegiadas, como a do STF”.

A atuação excepcional de magistrado, durante um plantão judicial de fim de semana, não sendo o juiz natural da causa, não deveria provocar turbulências políticas que coloquem em dúvida a própria autoridade das decisões judiciais colegiadas, em especial a do STF.

— Marina Silva (@MarinaSilva) July 8, 2018

Geraldo Alckmin, do PSDB, também nas redes sociais, postou que manter Lula preso não pode ser uma decisão política, mas sim de Justiça. Ele completou dizendo que o país precisa de ordem e segurança jurídica.

Manter Lula ou qualquer outro cidadão brasileiro preso não pode ser uma decisão política, mas sim da Justiça.

— Geraldo Alckmin (@geraldoalckmin) July 8, 2018

Manuela D’Ávila, do PC do B, afirmou que se no Brasil ainda houver Justiça, Lula será solto.

Depois de Sérgio Moro afirmar que não cumpriria a decisão de uma instância superior, atentando gravemente contra o Estado de Direito, o desembargador Rogério Favreto ordenou a imediata soltura do presidente Lula. Se ainda houver lei nesse país, Lula será solto. #LulaLivre pic.twitter.com/2y1WQahVV7

— Manuela (@ManuelaDavila) July 8, 2018

Guilherme Boulos, do PSOL, demonstrou apoio ao desembargador Rogério Favreto e criticou Sérgio Moro e o desembargador relator do processo de Lula no TRF4, Gebran Neto. Boulos disse ainda que Moro e Gebran desmoralizam o Judiciário do país.

Nunca se viu um juiz e um desembargador de férias atuarem com tamanha prontidão para revogar uma decisão judicial. Se isso não é prova de partidarização do Judiciário nada mais será. Cadê o STF? Cadê o CNJ? Moro e Gebran esculhambam a justiça. #LulaLivre

— Guilherme Boulos (@GuilhermeBoulos) July 8, 2018

Álvaro Dias, do PODEMOS, falou que a decisão de Favreto, de soltar Lula, “anarquiza o Judiciário e revolta a sociedade”.

Decisão de soltura de Lula, que anarquiza o Judiciário e causa indignação e revolta na sociedade, é responsabilidade de um desembargador aloprado que serviu a governos petistas, como o de Tarso Genro e do próprio Lula, além de ele mesmo ter sido filiado ao PT. Que país é esse?

— Alvaro Dias (@alvarodias_) July 8, 2018

Jair Bolsonaro, do PSL, publicou vídeo nas redes sociais onde criticou o pedido de liberdade de Lula, dizendo que “questões ideológicas estão aparelhando o Judiciário”.

Jair Bolsonaro comenta o HC tentado por Lula, a soltura de José Dirceu e o STF. Deus salve o Brasil! pic.twitter.com/GgY7iZbQTt

— Eduardo Bolsonaro (@BolsonaroSP) July 8, 2018

Os demais pré-candidatos à presidência não tinham se manifestado sobre o assunto até o fechamento dessa edição.

Reportagem, Cristiano Carlos