Manaus e Unicef vão promover oficinas sobre alimentação saudável

Uma parceria entre a Prefeitura de Manaus e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) vai promover duas oficinas temáticas sobre o direito à alimentação saudável. Os eventos ocorrem, nesta segunda e terça-feira, 20 e 21/8, das 8h às 11h, na Escola Municipal Senador Fábio Pereira Lucena Bittencourt, na rua 3, 122, Nova Esperança, zona Oeste de Manaus.

As oficinas foram pactuadas no Programa Saúde na Escola (PSE), que envolve as secretarias municipais de Saúde (Semsa) e de Educação (Semed), além do Unicef.

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, explica que o objetivo do evento é fortalecer as ações de promoção à alimentação adequada e nutricional e de prevenção a obesidade no contexto escolar, com estudantes nas faixas etárias entre 12 e 17 anos. Fortalecendo as ações na perspectiva do desenvolvimento integral à comunidade escolar e a participação em programas e projetos que articulem saúde, educação e em outras redes sociais para o enfrentamento das vulnerabilidades que comprometem o pleno desenvolvimento de crianças, adolescentes, jovens e adultos estudantes brasileiros.

Para a chefe do setor do Programa Saúde na Escola (PSE), da Semsa, Giane Duarte de Sena, a escola é o espaço ideal para desenvolver habilidades e competências baseadas nas práticas pedagógicas inseridas no cotidiano escolar. A articulação entre saúde e educação contribui na construção de valores pessoais, crenças, conceitos e maneiras de conhecer o mundo e interfere diretamente na produção social da saúde.

Direito à Alimentação Saudável

O tema “Direito à alimentação Saudável e nutricional” constitui requisitos básicos para a promoção e proteção da saúde, pois possibilitam a realização plena do potencial de crescimento e desenvolvimento humano com qualidade de vida e cidadania. A promoção de práticas alimentares adequadas e saudáveis está inserida no contexto da adoção de modos de vida saudáveis, sendo componente importante da promoção da saúde e qualidade de vida.

Além disso, constitui um eixo estratégico da Política Nacional de Promoção da Saúde e uma das diretrizes da Política Nacional de Alimentação e Nutrição, e está pautada na Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e na concretização do direito humano universal à alimentação e nutrição adequadas.

De acordo com a Política Nacional de Alimentação e Nutrição a alimentação adequada e saudável é uma prática alimentar apropriada aos aspectos biológicos e socioculturais dos indivíduos, bem como ao uso sustentável do meio ambiente. Deve estar de acordo com as necessidades de cada fase do curso da vida e com as necessidades alimentares especiais, ser referenciada pela cultura alimentar e pelas dimensões de gênero, raça e etnia, além de estar acessível do ponto de vista físico e financeiro, com harmonia entre quantidade e qualidade, baseada em práticas produtivas adequadas e sustentáveis, com quantidades mínimas de contaminantes físicos, químicos e biológicos.

Evolução da obesidade

Em vinte anos, as prevalências de obesidade em crianças entre 5 a 9 anos foram multiplicadas por quatro entre os meninos (4,1% para 16,6%) e por, praticamente, cinco entre as meninas (2,4% para 11,8%). Em crianças beneficiárias do Programa Bolsa Família menores de 5 anos e de 5 a 9 anos, o excesso de peso alcançou em 2015, 17,23% e 28,34% respectivamente, segundo dados do Sisvan, com base no acompanhamento das condicionalidades de saúde do Programa Bolsa Família.

Nos adolescentes, após quatro décadas de aumento gradual nas prevalências, em torno de 20% apresentaram excesso de peso e recentemente, um estudo mostrou que 8,4% dos adolescentes foram classificados como obesos. Em adultos, o excesso de peso e a obesidade atingiram 56,9% e 20,8% da população em 2013, respectivamente.