Marcelo Dutra é eleito delegado GCF Brasil no Comitê Executivo mundial, nos Estados Unidos

Marcelo Dutra é o primeiro amazonense a integrar o Comitê Executivo, que tem sede no Colorado, na cidade de Boulder

O secretário de Estado do Meio Ambiente (Sema) e presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Marcelo Dutra, foi eleito, nesta quarta-feira (12/09), durante a reunião da Cúpula Global de Ação Climática, em São Francisco, nos Estados Unidos, delegado dos Estados brasileiros no Comitê Executivo da Força-Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas (GCF).

O GCF é formado por mais de 30 governadores do Brasil, Peru, Colômbia, Bolívia, Equador, México e da Califórnia e integram a Cúpula Global do Clima, composta por representantes da Noruega, Alemanha, Austrália, Indonésia, Espanha, Papua, Nigéria e Costa do Marfim. Marcelo Dutra é o primeiro amazonense a integrar o Comitê Executivo, que tem sede no Colorado, na cidade de Boulder.

A eleição foi presidida pela diretora de projetos do GCF mundial, Colleen Scanlan-Lyons, e aconteceu por aclamação dos nove representantes dos Estados da Amazônia. Depois de ser informado do resultado, Dutra disse que a representação no GCF mundial será de mais acesso nos debates sobre financiamentos para o meio ambiente para o Estado e a inclusão de políticas públicas de sustentabilidade para a região Amazônica.

O primeiro compromisso internacional de Marcelo Dutra como delegado do Comitê Executivo da Força-Tarefa do GCF é participar como representante dos nove Estados da Amazônia da Conferencia das Partes (COP) da Convenção da Diversidade Biológica (CDB). O evento será realizado no período de 17 a 29 de novembro, na cidade de Sharm El-Sheikh, no Egito.

REDD+ – Durante esta quarta-feira (12/09), Dutra participou de reuniões com observadores do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e membros do GCF. No encontro, foram aprovados projetos no para apoiar estratégias coletivas de Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) com liberação de recursos para construção de instrumentos jurisdicionais para os pagamentos por serviços ambientais.

Na opinião do secretário da Sema e presidente do Ipaam, as ações coletivas são necessárias para dobrar a curva de emissões até 2020 e acelerar a implementação do Acordo de Paris nos Estados da Amazônia.

FOTO: DIVULGAÇÃO/SEMA