Marina Silva é oficializada como candidata a Presidência da República

Marina Silva foi oficializada como candidata à Presidência da República pela Rede Sustentabilidade. O médico sanitarista Eduardo Jorge, do Partido Verde (PV), também foi apresentado oficialmente no encontro como vice na chapa.

Em seu discurso, Marina agradeceu o apoio da família e disse que a candidatura dela e de Eduardo Jorge é a que está em melhores condições de unir o país. Ela ressaltou também que a aliança com seu vice não é por conveniência, nem por tempo de TV ou dinheiro, mas para ajudar a transformar o Brasil.

Segundo Marina Silva, a campanha dela será limpa, sem notícias falsas e sem destruir biografias.

“Não vamos fazer fake news, não vamos desconstruir biografias. Eu não posso ter sido colega do Ciro durante o tempo que ficamos no governo trabalhando juntos e, agora, só porque pensamos diferente, começar a mentir e destruir a vida da pessoa. A mesma coisa em relação à Alckmin, à Bolsonaro, a quem quer que seja. Eu quero entrar nesta campanha para oferecer a outra face junto com o Eduardo.”

A presidenciável disse que, se eleita, pretende fazer uma revisão na reforma Trabalhista. Ela reafirmou o compromisso com programas como Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida, além de melhorias no Sistema Único de Saúde.

No evento, uma das maiores lideranças religiosas do Brasil declarou apoio à Marina Silva. O pastor emérito da Primeira Igreja Batista, Oliveira de Araújo, se disse cheio de esperança e orgulhoso por poder participar da convenção.

“Meu coração está cheio de esperança, carregado de alegria e emocionado mesmo por participar deste momento emblemático. Há esperança sim! É isso que tem que mover o nosso coração para poder sair por aí fazendo campanha e pedindo voto para a Marina.”

Marina Silva nasceu em uma pequena comunidade chamada Breu Velho, no Seringal Bagaço, no Acre. Em 1984, Marina Silva ajudou a fundar a CUT (Central Única dos Trabalhadores) no estado. No ano seguinte, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Foi eleita pela primeira vez a um cargo público nas eleições de 1988, quando foi a vereadora mais votada de Rio Branco. Nas eleições de 1990, foi eleita deputada estadual. Nas eleições gerais de 1994, foi eleita senadora, aos 36 anos, tendo sido reeleita no pleito de 2002. Além disso, Marina foi ministra do Meio Ambiente no governo do ex-presidente Lula.

Reportagem, Cintia Moreira