Meirelles classifica movimento contra sua candidatura como “minoritário e isolado”

Foto - Bloomberg

Próximo de ser efetivado como candidato do MDB ao Planalto, Henrique Meirelles respondeu às críticas feitas pelo colega de partido, Renan Calheiros. O senador, que tenta a reeleição em Alagoas, divulgou vídeo no último sábado pedindo aos delegados do MDB que barrem a candidatura do ex-ministro da Fazenda. No entanto, Meirelles, que já conta com o apoio da maior parte dos emedebistas, afasta a ideia de “racha” no partido.

“É um movimento minoritário, isolado. E é absolutamente natural em um partido tão grande, com uma diversidade nacional tão extensa, que haja opiniões divergentes. Essa é a essência da democracia, a essência do debate. E é bem-vindo. Porque isso traça uma diferença de projetos e de história pessoa.”

De acordo com Meirelles, é essencial que exista esse tipo de debate dentro de um partido como o MDB. O pré-candidato afirma, ainda, que está aberto a todas as pessoas que queiram conversar sobre suas propostas.

“Conversamos com todas as pessoas que querem conversar e que estão abertas ao diálogo. E é normal. Faz parte de um debate aberto e democrático. E eu sempre encorajei a divergência de opiniões. Eu acho isso positivo”.

Entre os apoiadores da candidatura de Meirelles, está o presidente do MDB, Romero Jucá (RR). De acordo com ele, Meirelles já foi testado diversas vezes e mostrou que tem competência para governar o país.

“O MDB tem muita confiança na candidatura do ministro Henrique Meirelles. Nós sabemos que o ministro é preparado e foi testado em várias ocasiões em que o Brasil precisou sair da crise. Nós estamos trabalhando no sentido de aprovar o nosso candidato Meirelles na convenção do MDB, que será no dia 2 de agosto. E a partir daí, já ungido candidato, ele terá condições de fazer uma campanha com mais tranquilidade e mais penetração”.

Ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles também foi presidente do Banco Central de 2003 a 2011. Para lançar sua candidatura, ele precisará de pelo menos metade mais um dos votos dos delegados do MDB na convenção Nacional do dia 2 de agosto.

Com a colaboração de João Paulo Machado, reportagem, Bruna Goularte