Michelle Guimarães defende protagonismo feminino no desenvolvimento econômico durante evento TEDx, em São Paulo

A empresária amazonense Michelle Guimarães foi um dos destaques durante o evento TEDx realizado na capital de São Paulo, neste sábado (21), no Memorial da América Latina. Para um público de 1.200 pessoas ela falou sobre ‘O Impacto do Protagonismo Feminino no Desenvolvimento Econômico’, contou fatos sobre a própria trajetória de vida repleta de protagonismos, apresentou números surpreendentes sobre o PIB e conquistou a plateia.

Durante a palestra, Michelle surpreendeu a todos iniciando sua apresentação contando a história de um homem casado, com um filho de um ano e meio, que precisou passar dois meses fora do Brasil para trabalhar e estudar nos Estados Unidos, após ganhar uma bolsa de estudos. “As pessoas acham normal um homem passar um tempo fora, mas quando eu revelei que aquela história era minha, aquilo causou um impacto e empatia de muitas pessoas presentes, e por conta disso, eu fui procurada por muitas mulheres que me contaram as dificuldades que enfrentam no mundo coorporativo”, explicou.

Além e apresentar números que comprovam a expansão do PIB com o apoio do trabalho realizado pelas mulheres, Michelle mostrou que atualmente, independente do gênero, ambos tem a capacidade de dividir tarefas. Tanto a mulher se tornou protagonista profissional, como o homem passou a se envolver mais na rotina familiar.

Os números divulgados pela empresária comprovam, que cada 10% de aumento na diferença de salários por preconceito de gênero, reduziu cerca de 1,5% de expansão do PIB per capita dos municípios brasileiros. Os dados são de uma tese de mestrado do Insper (Instituição de ensino e pesquisa sem fins lucrativos), realizada entre 2007 e 2014.

“Manaus, tem o segundo maior índice de diferença salarial entre gêneros, 25%. Estamos deixando de gerar quase 4% de riquezas por mulher na cidade”, apontou.

A empresária explicou ainda que o Banco Mundial, fez um outro estudo, reuniu todos os índices econômicos do Brasil, e simulou uma política de “trabalho igual, salário igual e mais uma vez surpreendeu a plateia.

“Vocês sabem o que aconteceria? Nosso PIB cresceria em mais 0,2%, usando o PIB de 2017 que foi de R$ 6,6 trilhões, ele aumentaria em mais R$13,2 bilhões. Percebam o quanto o protagonismo feminino não é apenas uma luta social ou uma questão exclusiva das mulheres, e sim uma melhoria no desenvolvimento econômico. Mas aí temos outra questão, como mudar esse quadro?”, indagou.

Segundo a Michelle, um dos fatores mais importantes para essa mudança é investimento em infraestrutura. Ela explicou citando um exemplo com o qual muitas mulheres se identificaram. “Se uma mulher leva seu filho doente no meio do dia útil ao hospital público e ele é atendido de forma rápida e eficiente, ela conseguiria voltar a tempo para o trabalho e continuar a produzir, já que hoje temos que madrugar em filas para pegar senhas. Se esse filho tivesse uma creche de boa qualidade, ela também trabalharia mais tranquila e seria mais produtiva”, desabafou.

A palestrante recebeu mais uma vez o apoio da plateia ao lembrar que, atualmente, muitas mulheres não trabalham, por não terem onde deixar os filhos pequenos, ou ainda, deixam-os sozinhos, aumentando o risco de vulnerabilidade. Algumas sofrem o preconceito no ato da entrevista por uma vaga de emprego, quando empresas não aceitam mulheres que tenham filhos pequenos. Assim como na área da saúde e educação, ela citou as dificuldades de locomoção com um transporte público deficitário e a falta de mobilidade urbana que também comprometem a qualidade de vida.

Michelle foi a primeira mulher do Estado a receber o convite para palestrar no evento considerado o maior da América Latina e o terceiro no mundo, depois do realizado na Califórnia, onde o evento foi criado. O TEDx (sigla de Tecnologia, Entretenimento e Designer) se destaca por levar profissionais que tenham ideias que merecem ser compartilhadas.

No Brasil as palestras do TEDx são realizadas três vezes ao ano. A organização foi criada há 26 anos na Califórnia e apoia ideias que contribuem para mudanças positivas no mundo inteiro. Michelle Guimarães foi a única manauara a ser recebida na Casa Branca pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e já foi selecionada para participar de cursos na Universidade de Oxford, Inglaterra, além de ter sido pioneira em algumas ações empreendedoras na região.