Mobilização das instituições de fomento pede apoio e políticas públicas para o setor

Agências de fomento do Amazonas e de Tocantins aderem a ação nacional e publicam manifesto para que o próximo governo faça uso otimizado das instituições para a retomada do crescimento sustentável das regiões e do país

Desde 5 de julho, considerado o Dia do Sistema Nacional do Fomento, BRB, as agências de Fomento do Amazonas (Afeam) e de Tocantins (Fomento) disponibilizam, em suas redes sociais e sites, a Carta de Posicionamento da Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), entidade que reúne as instituições de fomento que integram o SNF. O documento preconiza o fortalecimento dessas instituições e destaca a necessidade do governo, nas esferas federal, estadual e municipal, de empreender ações que priorizem os órgãos de fomento, de forma planejada, para que a execução de políticas públicas assegure recursos para o crescimento socioeconômico e o desenvolvimento em bases sustentáveis, em âmbitos nacional e regional.

Direcionado para ser entregue aos candidatos à Presidência da República, o documento alerta para a necessidade de mudanças no regime tributário e na regulação, para que as instituições de fomento, em todo o país, possam contribuir, por meio do financiamento de longo prazo, para a ampliação dos investimentos e, consequente, aumento da produtividade.

De acordo com o manifesto, o fortalecimento do Sistema, por meio de várias ações, tornaria possível o aumento da taxa de investimento dos atuais 15% para, pelo menos, 25% do PIB. Com o apoio das diferentes esferas públicas, o SNF ampliaria o alcance a todas as regiões do país, gerando condições para a distribuição de renda e a melhoria de qualidade de vida da população.

SISTEMA NACIONAL DE FOMENTO – A elaboração do documento, de iniciativa da ABDE, contou com o apoio dos integrantes do SNF, entre eles o BNDES, Caixa, Banco do Brasil, bancos de desenvolvimento regionais, públicos federais e estaduais, agências de fomento, bancos comerciais estaduais com carteira de desenvolvimento, bancos cooperativos, além da Finep e do Sebrae.