Novas unidades fluviais vão levar saúde básica à população ribeirinha de Manaus

Mais de 60 comunidades ribeirinhas que vivem às margens dos rios Negro e Amazonas, no município de Manaus, acabam de ganhar o reforço de duas Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSFs) que começam a operar, efetivamente, no início do mês de julho. A inauguração das unidades foi realizada na manhã desta segunda-feira, 25/6, no Porto Organizado, Centro Histórico de Manaus, pelo prefeito Arthur Virgílio Neto e o secretário municipal de Saúde (Semsa), Marcelo Magaldi.

Cada uma das UBSFs vai atender uma das calhas de rio, em uma extensão de 150 quilômetros, a partir de Manaus para o rio Negro, e 150 quilômetros, para o rio Amazonas. Levando todos serviços oferecidos pela Semsa e pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no atendimento básico, como vacinação, consultas medidas de várias especialidades, exames, farmácia e atendimento odontológico. As duas unidades custaram, aproximadamente, R$ 5 milhões – R$ 2,5 milhões, cada – e foram financiadas pelo SUS em 80% e pela Prefeitura de Manaus em 20%. “Esses barcos vão ficar 20 dias por mês singrando as águas do rio Negro e do rio Amazonas, levando atenção absoluta. É uma UBS tipo 2, significa duas equipes de estratégia da saúde da família atuando e eu tenho muito orgulho disso”.

Atualmente, o atendimento das comunidades ribeirinhas é feito por apenas uma embarcação, que permanece sete dias em cada uma das calhas. Com a entrada das duas UBSFs e o aumento do número de dias em que permanecerão nas comunidades, a capacidade de atendimento será triplicada. “Nós vamos atender mais de 60 comunidades ribeirinhas. Eles são programados para fazer seis paradas no rio Amazonas e cinco paradas no rio Negro, com isso vamos triplicar o atendimento de saúde a toda população ribeirinha. Então, esse é um momento histórico da gestão do prefeito Arthur Neto”.

Durante a inauguração, que contou com a presença da primeira-dama Elisabeth Valeiko, do deputado federal Arthur Bisneto, o ex-deputado estadual e presidente do PC do B Eron Bezerra, vereadores e outras autoridades, foram feitos os cortes das fitas, descerramentos das placas de homenagem e o tradicional batismo, com a quebra de champanhe no casco dos barcos, simbolizando uma boa e longa jornada.

As UBSFs receberam os nomes de profissionais dedicados à saúde e à luta pela universalização do atendimento de saúde, com atenção especial à inclusão das comunidades menos privilegiadas, principalmente as comunidades rurais. O médico Ney Lacerda, que morreu aos 94 anos, dedicou mais de 55 anos ao serviço médico e o médico Antônio Levino, que morreu no ano passado, dos 55 anos, dedicou grande parte da sua vida à pesquisa, às salas de aula e ao serviço médico.

O prefeito Arthur Neto, afirmou ainda, que as justas homenagens são atos de convergência em busca da melhor qualidade de vida para a população e da universalização do acesso à saúde. Não importa quantas pessoas tenha em uma comunidade, o dever é levar a atenção para elas. “Eu fico muito feliz, porque o Levino sempre lutou pela inclusão social e, nesse momento em que nós precisamos muito atender nossa população ribeirinha, esses barcos vêm cumprir esse papel. Eles estão bem equipados, os profissionais bem trinados. Isso nos dá uma satisfação e um orgulho muito grande”.

A filha do médico Ney Lacerda, Nereida Lacerda, também destacou a atuação do homenageado na saúde pública do Amazonas. “Como médico, ele dedicou mais de 55 anos de sua vida trabalhando pela saúde da população, pesquisando para combater as doenças endêmicas, principalmente, junto a essas populações mais distantes, como as do interior do Estado”.

Em um rápido discurso, o deputado federal Arthur Bisneto fez um apelo à tripulação das duas embarcações para que divulguem a história dos homenageados em todos os cantos onde eles parem, para que os moradores atendidos também reconheçam o valor e a importância dos homenageados.