Novo ministro de Minas e Energia anuncia diálogo com iniciativa privada

Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil Edição: José Romildo

O novo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, recebeu hoje (2) o cargo de seu antecessor, Edison Lobão. Em discurso, Braga destacou a importância do diálogo entre governo e iniciativa privada. “Quero manter um diálogo construtivo com os representantes do setor privado, em especial os investidores, com o propósito de construir um ambiente propício aos investimentos. Precisamos valorizar cada vez mais a parceria entre o governo e os empresários.”

Braga também comentou as denúncias que afetam a Petrobras, empresa vinculada ao ministério, mas foi cauteloso e preferiu exaltar a empresa e separá-la dos envolvidos na Operação Lava Jato. “Creio que a Petrobras tem dado resposta aos órgãos de fiscalização com absoluta transparência. É preciso que se investigue, que os possíveis culpados, após seu amplo direito de defesa, possam ser condenados. Mas não podemos confundir isso com a Petrobras, ela é maior que tudo isso. O que precisamos é fortalecer e aprimorar a governança na Petrobras”, avaliou.

Para ele, o envolvimento de grandes empresas nas investigações da Polícia Federal não deve esvaziar os leilões de usinas hidrelétricas previstos para 2015. “É preciso entender que neste momento de dificuldades é que surgem grandes oportunidades para novos investidores. O que queremos deixar muito claro é que queremos um diálogo franco, ampliado com o setor privado.”

Braga disse que não acredita que o país esteja à beira de uma crise energética, mas disse que ainda precisa de informações mais detalhadas sobre a situação do setor elétrico. “Já ficou claro que nosso sistema elétrico é robusto, o problema é saber quanto ele custa. Não vejo, sinceramente, como engenheiro eletricista e gestor público, que estejamos diante de um risco iminente. É claro que nós estamos coletando dados e informações para que possamos ter dados mais precisos e detalhados.”

A cerimônia teve a presença de figuras importantes do seu partido, o PMDB. O presidente do Congresso, Renan Calheiros (AL), e o líder do partido no Senado, Eunício Oliveira (CE), compuseram a mesa durante a transmissão de cargo.

O agora ex-ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, fez elogios a seu sucessor e, se despedindo do cargo, disse que trabalhará pelo fortalecimento do setor elétrico na volta ao Senado. “Senador da República, eleito pelo povo do Maranhão, retomo ao meu mandato, do qual me licenciara, para continuar defendendo as causas de interesse do Brasil.”