Novos monitores do Zona Azul só começam a atuar no centro sábado

O Consórcio Amazônia, concessionária do sistema de estacionamento rotativo Zona Azul, abre nesta semana nova etapa de ampliação do serviço de atendimento aos motoristas, no centro da cidade. Estão sendo absorvidas mais 30 pessoas que atuarão como monitores e vendedores de crédito.

O número de monitores passará de 40 para 50, sendo 100% deles ex-guardadores de veículos ou familiares destes. Para a atividade exclusiva de venda de crédito e atendimento ao motorista no momento do estacionamento serão mais 20 pessoas. O Consórcio está firmando parceria com a Associação dos Guardadores e Lavadores de Veículos do Amazonas (Aglavam) e com a Cooperativa dos Guardadores de Veículos, que selecionaram esses profissionais. O diretor Operacional do Consórcio, Guilherme Rocha, explica que os vendedores de crédito estarão devidamente uniformizados com roupas que os identifiquem facilmente como licenciados da Zona Azul.

No caso dos monitores, contratados diretamente pelo Consórcio, a principal função é o atendimento e orientação ao usuário em geral, fiscalização do uso do sistema de estacionamento, além da venda de créditos.

De acordo com Guilherme Rocha, a absorção dos ex-guardadores de veículos como monitores se deu de maneira criteriosa, após intenso treinamento, em quantidade bem superior àquela prevista no projeto da Zona Azul. “Como o principal compromisso do Consórcio é a excelência do serviço prestado estamos adotando todas as medidas para adequar o efetivo de funcionários destinados ao atendimento público à demanda que vem sendo verificada.”, frisou.

O sistema Zona Azul foi implantado há cinco meses, em caráter educativo, e passou a atuar com cobrança de taxa desde o último sábado (30). Segundo Guilherme Rocha, com os novos monitores e a venda de crédito pelos ex-guardadores, o atendimento aos motoristas será ainda mais ágil. Ele ressalta que os condutores têm quatro opções para adquirir crédito. Pode ser pelo portal www.zamanaus.com.br, com pagamento por cartão de crédito ou débito. Também pode ser pelo aplicativo Zona Azul Manaus, usando o cartão de crédito. Com os monitores e vendedores nas ruas, o pagamento pode ser em dinheiro ou cartão de crédito e débito.

Guilherme destaca que o conceito do sistema Zona Azul é o mesmo no mundo inteiro e segue o princípio da rotatividade, evitando que determinados condutores permaneçam com seus veículos estacionados durante o dia inteiro, sem que outras pessoas tenham a oportunidade de parar o automóvel naquela região. No Brasil tem cidades que há 50 anos utilizam esse tipo de estacionamento, como é o caso de Belo Horizonte. Em Curitiba, o Zona Azul existe há mais de 30 anos e em São Paulo há 43 anos. “O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) traz diretrizes para a implantação do sistema e, em Manaus, foi adotada a tecnologia mais moderna nesse segmento”, afirmou.

PARA TIRAR DÚVIDAS

Tempo de permanência no estacionamento: no máximo, três horas, para garantir a rotatividade e permitir que outros motoristas possam usar as vagas. Se o motorista precisar ficar mais tempo no centro da cidade, ele deverá deslocar o seu veículo para outra vaga.

Preço: R$ 2,45 a hora.

Horário de funcionamento: é de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 18h, e aos sábados, das 8h às 17h. No domingo não funciona. Se o motorista estacionar antes das 8h, ele não será cobrado. A partir das 8h, se ele ainda estiver ocupando a vaga, ele tem 15 minutos de tolerância para regularizar a sua situação. A cobrança passa a ser computada a partir desse período.

Áreas cobertas pelo sistema Zona Azul: as vagas de estacionamento do Zona Azul estão disponíveis na avenida Eduardo Ribeiro e nas ruas 10 de Julho, Barroso, Henrique Martins, Rui Barbosa, 24 de Maio, Costa Azevedo, Marçal, Dona Libânia, Monsenhor Coutinho, Tapajós, Lobo D’Almada, Joaquim Sarmento, José Clemente, Ramos Ferreira, Frei Lourenço e Ferreira Pena.

Trabalhadores do centro da cidade: Precisam se cadastrar para ter o desconto de 50% no valor da taxa/hora e ficarem liberados da exigência de rotatividade (ou seja, não precisam retirar o carro após as 3h limite). Pode ser cadastrado um veículo por cada trabalhador. Precisam apresentar os seguintes documentos – comprovação da condição de comerciário, bancário ou prestador de serviços naquela área da cidade, por meio de uma declaração da empresa em que atua; cópia da Carteira de Trabalho; e cópia autenticada do certificado de propriedade do veículo.

As vagas para os comerciários estão localizadas em dois setores perimetrais, que envolvem deslocamento de, no máximo, 500 metros, para que se dirijam até o local de trabalho. As vagas estão nos seguintes locais: avenida Joaquim Nabuco e suas travessas, até a avenida Getúlio Vargas (ruas Lauro Cavalcante; Huascar de Figueiredo, 24 de Maio, 10 de Julho e Ramos Ferreira); rua Luiz Antony e suas travessas, até a rua Epaminondas (ruas Simão Bolívar, Ramos Ferreira, Monsenhor Coutinho, 10 de Julho, Padre Estélio Dalison, Travessa Padre Ghisland, Frei José dos Inocentes, Bernardo Ramos, Avenida Sete de Setembro, Visconde de Mauá, Governador Vitório e Tamandaré).

Moradores do centro da cidade: Devem se cadastrar para ter acesso à vaga, com isenção de pagamento da taxa e liberados da exigência de rotatividade. Pode ser cadastrado um veículo por residência. Precisam apresentar os seguintes documentos – cópia de identidade, comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone, não superior aos últimos 90 dias) e cópia autenticada do certificado de propriedade do veículo. Para quem aluga imóvel, se não houver conta de consumo, deve apresentar cópia do contrato de locação. As vagas para os moradores estão localizadas nas ruas que circundam o quarteirão da residência ou que estejam na divisa deste.

Local para cadastro de trabalhadores e moradores do centro: sede do Consórcio Amazônia, na avenida Leonardo Malcher, 834, Centro, próximo ao Sebrae, no horário comercial – das 8h às 12h30 e das 13h30 às 18h. Mais informações no número (92) 3348-5505.

Monitoramento das vagas: Cada vaga do sistema Zona Azul é dotada de sensor, que detecta a hora em que o veículo estacionou. Nas vagas em que houve a retirada ou depredação de sensores, o Consórcio Amazônia reitera que não há qualquer tipo de prejuízo para o usuário, porque o tempo de estacionamento passa a contar a partir do momento que um dos monitores registra no sistema a placa do veículo. O Consórcio informa que já iniciou o processo de aquisição para a reposição dos equipamentos.

Depredação de sensores: O Código Penal Brasileiro, no artigo 163, considera crime inutilizar ou deteriorar o patrimônio da União, Estado, Município, empresa concessionária de serviços públicos ou sociedade de economia mista. A pena é de detenção de seis meses a três anos e multa.

Infração: O Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) é o órgão responsável por notificar o condutor que estacionar irregularmente, na área do sistema Zona Azul. Conforme o Código Brasileiro de Trânsito (CTB), artigo 181, inciso XVII, estacionar em desacordo com a regulamentação é uma infração grave, com multa no valor de R$ 195,23, e cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação. Ainda cabe a remoção do veículo para o parqueamento da Prefeitura. Ao identificarem que o veículo está estacionado irregularmente, os monitores registram o caso no sistema. A notificação é enviada de forma automática para o Manaustrans, que aciona os agentes de trânsito que estiverem próximo da área.