Nutricionista do SESI alerta: guloseimas juninas sim, mas com moderação

A busca por uma alimentação saudável, com ingestão equilibrada de açúcar, é a dica da nutricionista do SESI, Yara Azevedo, para enfrentar a variedade gastronômica das festas juninas. A compensação dos alimentos na hora de ingerir as guloseimas é um dos fatores para se manter dentro da dose ideal de açúcar na alimentação.

“O maior problema na ingestão desses alimentos típicos é que, além de serem ricos em açúcares, você não come somente uma porção, mas várias. Então, em uma refeição você ingere açúcar em excesso e não faz a compensação no dia seguinte, o que pode trazer prejuízo à saúde, como alteração na glicemia, e até provocar o diabetes”, diz. A dica da nutricionista é não exagerar nas refeições e optar por comidas mais saudáveis dentro do que é oferecido nessa época do ano.

“A banana frita, por exemplo, que faz parte do nosso dia a dia. Como comer essa banana sem sentir culpa? O ideal é não comer toda a porção e ainda adicionar canela, que é um alimento termogênico e vai ajudar a acelerar o nosso metabolismo”, ressalta ela.

A assistente de cobrança, Darly Barbosa, 50, faz acompanhamento com a nutricionista do SESI de três em três meses para monitorar o colesterol e a triglicéride que estão altos desde o final do ano passo. A paciente costuma ingerir alimentos ricos em açucares e nunca tinha atentado para os fatores prejudiciais do consumo em excesso.

“Em cima dos meus exames cardiológicos, a nutricionista Yara me passou uma dieta que tem dado certo. O cardiologista dá a pirâmide, porém o meu problema foi saber a quantidade. Com a nutricionista eu tive esse amparo maior de como montar, dentro das refeições, e aliar com exercícios físicos, que eu não fazia. Esse conjunto ajudou a equilibrar as minhas taxas”, disse Barbosa.

O hábito alimentar reflete em nossa saúde. Segundo a nutricionista, a nutrição adequada se faz necessária em todos os estágios da vida, e, pelo menos 90% do tratamento de todo e qualquer problema de saúde passa pela alimentação. A maioria dos pacientes que procuram o nutricionista, diz Yara, é para tratamento de doenças já instaladas. E, em segundo plano, está a procura por emagrecimento e reeducação alimentar.

“Estamos vivenciando uma epidemia de obesidade e doenças crônicas degenerativas, e muitos estudos estão em andamento sobre como ‘tratar’ tais doenças, porém em todos eles fica claro que a alimentação natural, livre de conservantes e agrotóxicos, é a mais indicada para todos.

Reeducação alimentar

Com a descoberta recente de uma gastrite, a engenheira civil Camila Silva, 26, procurou ajuda da nutricionista do SESI para sua reeducação alimentar. Por conta da rotina corrida, Silva costuma ingerir alimentos muitos gordurosos e práticos, como sanduíches e refrigerante.

“Procurei um médico porque essa minha gastrite tem total ligação com a minha alimentação, eu tenho consciência de que como errado, mas não sei montar uma dieta que irá me beneficiar nesse período inicial da gastrite, portanto a busca pela nutricionista do SESI me ajudou muito nesse processo”, disse ela.

A nutricionista atestou que Camila tinha uma alimentação rica em carboidratos, zero presença de frutas e um intervalo longo entre uma refeição e outra, o que é prejudicial para quem tem gastrite. O ajuste dado pela nutricionista foi a inclusão nesses intervalos de frutas variadas para equilibrar a alimentação diária e um equilíbrio maior na hora de ingerir carboidratos.