O que te faria deixar a empresa onde atua?

A possibilidade de viver outras experiências lidera o ranking, mas problemas com o chefe também impactam continuidade na empresa

Apesar do desemprego ter atingido a marca de 12,9% no país, no último trimestre, muitas entidades ainda têm dificuldade para encontrar mão de obra capacitada. Por isso, diversos benefícios começam a fazer parte da cultura das companhias, a fim de atrair os melhores talentos. Tendo em vista essa realidade, o Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios realizou uma pesquisa com o seguinte questionamento: “O que te faria deixar a empresa onde atua?”. O resultado apontou a necessidade das novas gerações de continuarem se aperfeiçoando.

O estudo ocorreu entre 7 e 18 de maio e contou com a participação de 28.972 jovens, entre 15 e 26 anos, em todo o país. Para 65,88%, ou 19.086 votantes, o principal motivo seria “a chance de ser promovido para um cargo melhor e ter outras experiências”. Segundo Nicole Tavares, analista de treinamento do Nube, novos desafios promovem a aquisição de competências e a saída da zona de conforto. “Estar em constante desenvolvimento é fundamental no mercado e a juventude está ciente disso. Além do mais, se propor um desafio e alcançá-lo é muito motivador!”, explica.

Já na opinião de 13,92% (4.034), “receber uma proposta para ganhar um pouco mais” seria o gatilho necessário para optar pela troca de empregador. Contudo, essa decisão deve ocorrer com bastante cautela, pois o salário, embora pareça, não é um ponto motivacional e sim higiênico, segundo a teoria dos dois fatores de Hezberg. “Ou seja, ele por si só não é capaz de engajar alguém. Se a atividade ou o ambiente não forem agradáveis ou o idealizado, em poucos meses a remuneração também parecerá insuficiente”, enfatiza a especialista. Por isso, a dica é escolher pelas tarefas, instituição e, principalmente, pela cultura do local.

A locomoção é outra questão observada, tanto pelos empregadores, quanto por quem busca por uma vaga. Assim, 10,54% (3.053) não pensariam duas vezes para migrar de trabalho se “pudessem atuar mais perto de casa”. Uma solução para evitar a perda de funcionários por esse quesito é o home office. “Além de motivadora, essa modalidade ainda promove a autonomia e autogestão. As novas gerações buscam por isso, então é importante o mundo corporativo se adaptar. Todavia, o colaborador deve administrar bem seu tempo e planejar suas funções”, incentiva.

O relacionamento com um superior é outra das causas para quem deixa seu cargo. Com esse pensamento, 3,52% (1.020) largariam a atual posição “se tivessem problemas com o chefe”. De fato, a liderança é um dos fatores capazes de reter ou não um talento. Logo, o ideal é o empreendimento investir em seus comandantes, não apenas na capacitação técnica, mas principalmente na gestão de pessoas. “Treinamentos comportamentais, de feedback, espírito de equipe, comunicação não violenta, entre outros, são uma importante ferramenta para transformação!”, ressalta Nicole.

Por fim, 6,14% (1.779) “não pensam nisso, pois estão satisfeitos”. De acordo com a analista, grande parte dos estímulos para o contentamento são intrínsecos, ou seja, são subjetivos e variam de indivíduo para indivíduo. Entretanto, plano de carreira, de
desenvolvimento e campanhas ou programas de reconhecimento incentivam e, muito, para a felicidade de uma equipe.

De maneira geral, diante de uma proposta de emprego, é preciso evitar decisões impulsivas e colocar na ponta do lápis os prós e os contras da situação avaliada. O autoconhecimento auxiliará nesse momento, pois será mais fácil decidir quais meios motivam e qual lugar combina melhor com cada um. Já para as corporações, para se manterem competitivas e atraentes é essencial se adaptar a novos perfis de trabalhadores. “Indico promover a realização pessoal de cada integrante do time, compartilhando com o grupo responsabilidades, mas, principalmente, os méritos”, finaliza.

Serviço: pesquisa revela razões para jovens deixarem empregos onde atuam
Fonte: Nicole Tavares, analista de treinamento do Nube

Sobre o Nube

Desde 1998 no mercado, o Nube oferece vagas de estágio e aprendizagem em todo o país. Possui mais de 7.500 empresas clientes, 14 mil instituições de ensino conveniadas no Brasil e já colocou mais de 800 mil pessoas no mercado de trabalho. Também administra toda a parte legal e realiza o acompanhamento do estagiário e aprendiz por meio de relatórios de atividades.

Anualmente, são realizadas 11 milhões de ligações, enviados 3,2 milhões de SMS e encaminhados 750 mil candidatos. O banco de dados conta com 4,5 milhões de jovens cadastrados e todos podem concorrer às milhares de oportunidades oferecidas mensalmente Para facilitar a vida dos cadastrados, foi desenvolvido um aplicativo no Facebook para publicação das vagas.

O Nube também está presente nas principais redes sociais Twitter, Google+, Linkedin e Youtube. Com a TV Nube, oferece conteúdos voltados à empregabilidade, dicas de processos seletivos, currículos, formação profissional, entre outros. O cadastro é gratuito e pode ser feito no site www.nube.com.br.

Compartilhe