Oficina de Parentalidade da Defensoria Pública chega à 10ª edição nesta sexta-feira, dia 27 de julho, com mais de 100 participantes

Orientação que visa a conciliação de famílias em situação de separação será realizada das 9h às 12h, na DPE-AM da Rua 24 de Maio, 321, Centro

A Oficina de Parentalidade da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) chega à 10ª edição nesta sexta-feira, dia 27 de julho, com mais de 100 participantes, até o momento. A oficina é realizada na unidade da DPE-AM da Rua 24 de Maio, 321, Centro, das 9h às 12h. O objetivo é orientar as famílias que passam pela separação do casal, principalmente no que se refere a evitar conflitos para amenizar os desgastes sofridos pelos filhos.

Para aumentar o alcance das oficinas e atingir seu objetivo, a DPE-AM tem investido em uma forma de convite personalizada direcionada aos assistidos da área de família que estão em processo de separação ou guarda. Além de receber uma carta-convite, os assistidos também são convidados para as oficinas por uma atendente que liga para cada um informando sobre a realização do evento e tirando dúvidas.

“Esta é uma forma de orientar melhor e tranquilizar os assistidos sobre a participação nas oficinas”, explica a coordenadora do projeto, defensora pública Heloísa Canto.

O convite para as oficinas vem sendo feito aos assistidos, mas outros interessados que quiserem garantir participação podem ligar para o telefone da 1ª Defensoria Pública de Família – (92) 3233-1007.

Não é obrigatório que os dois membros do casal participem. Caso um dos dois não esteja interessado, o outro pode participar sem impedimentos.

As oficinas são ministradas pelos defensores públicos Helom Nunes e Karoline Santos, que passaram por uma capacitação no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). A coordenação do projeto é da defensora pública Heloísa Canto.

Segundo o defensor público Helom Nunes, a forma de convite personalizada tem feito aumentar o número de participantes a cada oficina. “E outro avanço que se percebe é a crescente participação dos homens, que em geral são menos receptivos a este tipo de atividade”, disse.

O projeto, que vem sendo realizado desde o ano passado, tem o objetivo de sensibilizar mães e pais de que a boa relação familiar deve ser permanente porque é essencial para o crescimento afetivo dos filhos e destacar que a convivência familiar não termina com uma separação do casal. A orientação às famílias é também uma forma de incentivar a conciliação.

Em um formato de bate-papo, os participantes recebem questões práticas e esclarecimentos sobre Direito de Família, além de poderem tirar suas dúvidas.