Órgãos de defesa do consumidor vão fiscalizar cobrança abusiva nas vendas de extintores veiculares, em lojas de Manaus

Rede Tiradentes

O Programa Estadual de Orientação e Defesa do consumidor (Procom -AM) vai fiscalizar a cobrança abusiva nos preços do extintor veicular, que está sendo exigido aos donos de veículos, pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran). A informação foi confirmada, nesta segunda-feira (05), pelo diretor presidente do Departamento de Trânsito do amazonas (Detran-AM), Leonel Feitoza, que considerou os preços absurdos.

“Em novembro, nós fizemos uma pesquisa de mercado, e esse extintor custava em torno de R$ 60, R$ 70, e, na sexta-feira (02), as pessoas me ligaram, dizendo que, onde havia o extintor, estavam sendo vendidos a R$ 200, e, alguns locais, a mais de R$ 200. Isso é um absurdo! É um preço abusivo. Entrei em contato com os Procons estadual e municipal, para que fizessem uma fiscalização nesses estabelecimentos para sabermos por que, em novembro R$ 60/70 e, em 2 de janeiro, já custava mais de R$ 200.”

De acordo com Leonel Feitoza, para evitar os abusos e permitir que as pessoas tenham um pouco mas de tempo para adquirir o equipamento, o agentes do Detran-AM e policiais do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (PMAM) foram orientados a fazer apenas blitz educativas, evitando as multas em relação ao extintor.

“Na sexta-feira, mesmo, por meio de ofício, eu solicitei ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) um prazo de 30 dias para que as pessoas possam se adequar, colocando como justificativa a questão de não haver extintores disponíveis para venda em Manaus, e também a questão do preço abusivo. A nossa intenção é adiarmos a fiscalização até o fim de janeiro, para que as pessoas possam adquirir o extintor e pagar o preço justo e não o preço que está sendo cobrado pelo comércio.”

Conforme Feitoza, ele deve receber a resposta do Denatran ainda nesta segunda-feira. Dependendo da resposta do órgão, a fiscalização do uso do extintor só deve começar no dia 1º de fevereiro.