“A professora de uma escola de Santa Catarina, Márcia Friggi, foi agredida nesta semana por um aluno de apenas 15 anos de idade, dentro da sala da direção. No boletim de ocorrência, ela informou à polícia que chamou a atenção do aluno por ele estar com o livro sobre as pernas e pediu que ele o colocasse em cima da mesa.

 

Em seguida, o estudante ficou alterado, jogou o livro em direção a cabeça dela e usou palavras de baixo escalão. Mediante a isso, a  professora pediu para que ele se retirasse de sala por mau comportamento e, por isto, recebeu uma sequência de socos do jovem.

 

O último a arremessou contra a parede. De acordo com o psicólogo Rossandro Klinjey, os pais estão falhando na educação dos filhos, ao serem permissivos, não exigindo respeito, não deixando o filho aprender, na prática, que o “não” , a “decepção” e o “limite” são essenciais para forjar o adulto. Segundo ele, na prática, por não fazerem isso, os pais têm incentivado a existência de adolescentes egocêntricos, adultos fracos, que não sabem lidar com adversidades.

“Para que a escola seja uma segunda família, a família precisa ser uma primeira escola. Se você consegue se fazer respeitar por seus filhos, eles certamente vão respeitar o professor e o que ele oferece, que é Educação. Mas se você como pai e como mãe não se consegue fazer respeitar, você cria para ele um sentimento de que ele não deve respeitar ninguém. E aí, quem sente primeiro este drama da falência familiar é a escola, que é a primeira instituição sensível da sociedade, que recebe os filhos destas famílias falidas ou não, em atitudes como esta, não somente violência física, mas as muitas violências verbais e do desrespeito contínuo de vários alunos para com os professores.”

O caso da professora agredida repercutiu após uma postagem da vítima nas redes sociais, que já passa de mais de 376 mil e quatrocentos compartilhamentos.

Reportagem, Cintia Moreira.