Pacientes do CAPS Silvério Tundis recebem certificado de conclusão da alfabetização

Os 24 pacientes do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Silvério Tundis, do Governo do Estado, que participaram do Programa Brasil Alfabetizado (PBA), receberão o certificado na próxima quinta-feira (18), durante a solenidade de formatura e encerramento do ano letivo, promovida pela Secretaria Estadual de Saúde (Susam). A cerimônia, na sede da instituição, na avenida 7 de maio, bairro Santa Etelvina, Zona Norte, contará com show cultural, organizado pelos próprios pacientes.

A programação inicia às 9h30 e estão sendo aguardadas apresentações de coral, teatro e maracatu. O objetivo, de acordo com o secretário estadual de Saúde, Wilson Alecrim, é abrir uma porta de acesso à cidadania, garantindo maior autonomia aos pacientes, a partir da alfabetização.

A diretora do CAPS, Raimunda Gomes Pinheiro, ressalta que, com isso, mostra-se, ainda, que, mesmo com transtornos mentais, os pacientes são capazes de aprender novas atividades e se desenvolver, para viver de forma integrada na sociedade. “O que nós queremos é que esses pacientes possam sair à rua e saber seu endereço, pegar um ônibus, contar dinheiro e, com isso, conseguir ter uma vida sem depender de alguém”, disse a diretora.

De acordo com Raimunda, há casos de pacientes que não conseguiam viver sozinhos, eram agressivos, mas que após o acompanhamento médico e as atividades de reinserção social, no CAPS, hoje estão bem. “Temos um paciente que era muito agressivo e os vizinhos da vila onde ele mora reclamavam bastante, mas hoje, com todo o acompanhamento, ele vive com a esposa, faz sua própria comida, vem para as aulas e volta pra casa. Isso é uma vitória alcançada por ele”, comemora a diretora.

O Centro de Atenção Psicossocial Silvério Tundis atende entre 40 e 60 pessoas, diariamente, com transtornos mentais severos e persistentes. O CAPS atua de forma integrada com a Rede de Atenção em Saúde Mental e, por meio de equipe multiprofissional, além do tratamento clínico especializado e da dispensação de medicamentos, oferece um conjunto de atividades de reinserção social, com acesso às oficinas terapêuticas, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários. “O que nós queremos é acabar com o estigma e preconceito que existe com as pessoas que sofrem de transtornos mentais e somente oferecendo atividades construtivas é que eles vão evoluir e se inserir cada vez mais na sociedade”, destacou a diretora.

Brasil Alfabetizado – O Programa Brasil Alfabetizado foi criado pelo Ministério da Educação em 2003. É voltado para alfabetização de jovens, adultos e idosos. O objetivo é contribuir para a universalização do ensino fundamental no Brasil.