Polícia Civil prende homem investigado por estupros a meninas adolescentes

estupro
Renato Fragata

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da 31ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Iranduba, situada na Região Metropolitana de Manaus, apresentou na tarde de hoje (11), um homem apontado como autor de diversos crimes cometidos contra meninas adolescentes. Renato Fragata, 30, foi preso em cumprimento a mandado de prisão no município de Parintins, à 369 Km da capital em linha reta, na última segunda-feira, dia 8. Ação de busca foi feita pelos Policiais Civis lotados nos dois municípios, Grupamento de Operações Aéreas (GOA) e Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (FERA).

A polícia chegou até o preso após receber denúncias de uma professora que relatou a presença dele diariamente no portão de uma escola pública do município de Iranduba, durante o horário de saída dos alunos. De acordo com a educadora, ele sempre procurava conversar com meninas que simpatizavam com o ritmo de rock e se aproveitava do estilo musical, como pretexto para fortalecer a relação de amizade com elas.

Após ganhar a confiança das adolescentes, Renato as convidava para integrar uma seita, que tinha como filosofia diversas práticas de satanismo, entre elas, beber sangue de animais, como por exemplo, gatos e cabras; realizar horas de intensas orações; e manter relações sexuais em cemitérios. Segundo as declarações do homem, os rituais diabólicos eram estágios necessários para que os discípulos pudessem, segundo ele, ficarem mais próximos da divindade espiritual que cultuavam. Todas as vítimas adolescentes possuíam entre 13 e 16 anos e se relacionavam sexualmente com o criminoso.

Em depoimento à autoridade policial Titular da 31ª DIP, Delegado Paulo Mavignier, ele também assumiu que realizou um aborto em uma das jovens que engravidou. “Ele usava de todos esses artifícios fantasiosos sobre magia negra para persuadir as adolescentes e as fazerem acreditar que poderiam conseguir o que quisessem através desses rituais demoníacos. Uma das meninas engravidou de outro homem e o próprio Renato acabou realizando um procedimento de aborto. Segundo ele, o aborto teria sido feito através de uma oração. Por meio de um específico trabalho de investigação, conseguimos acabar com a essa rede”, declarou o Delegado.

As investigações revelaram que o homem também praticava os mesmos crimes no município de Parintins, de onde é natural. Ainda em depoimento, ele admitiu ter feito sexo com pelo menos 68 meninas. Dezoito delas, na cidade de Iranduba e pelo menos cinquenta em Parintins.

As práticas de magia negra foram minunciosamente relatadas por Renato, e iam de rituais com bonecos “vodu” a reuniões que eram assistidas pelas meninas vestidas com roupas de boneca. Entre os estágios que tinham como finalidade elevar o nível espiritual das participantes, havia uma ordem para matar uma pessoa com a qual existisse um desafeto. Apesar da exigência, nenhum relato de homicídio foi registrado.

O homem que também exercia a função de auxiliar de obras, praticava as feitiçarias há pelo menos três meses. Renato ainda divulgava as fotos das meninas em sua página pessoal na rede social Facebook e mantinha um relacionamento sério com uma delas, uma adolescente de 17 anos. Todas as vítimas do aliciador foram ouvidas e liberadas.

No município de Parintins, Renato já respondia a cinco inquéritos por estupro. O mandado de prisão foi expedido no dia de 4 de dezembro de 2014, pela juíza Rosália Guimarães, da 1ª Vara Judicial do município de Iranduba.

O criminoso continuará preso nas celas da Delegacia Interativa de Polícia onde ficará à disposição da Justiça, e responderá pelos crimes de estupro de vulnerável, corrupção de menores e divulgação de material de pornografia infantil.