Polícia rebate nova versão, e deve indiciar socialite por crime no AM

Marcelaine é suspeita de encomendar morte da rival por ciúme de amante.

Ela deve ser ouvida dia 15; com depoimento, polícia conclui inquérito.

Diego Toledano – Do G1 AM

O delegado Paulo Martins contestou, nesta terça-feira (13), a nova versão dada pela defesa da socialite suspeita de mandar matar Denise Almeida Silva. Na segunda-feira (12), o advogado de Marcelaine dos Santos Schumman afirmou ao G1 que a mulher não planejou o crime. Segundo José Bezerra, a cliente dele contratou o grupo suspeito de envolvimento na tentativa de assassinato apenas para cobrar uma dívida de R$ 40 de um empresário. Para a Polícia Civil, Marcelaine encomendou a morte de Denise, que sobreviveu após ser baleada em uma academia situada no Centro de Manaus em novembro de 2014, por ciúmes do empresário, que seria amante das duas. O delegado informou que a suspeita deve ser indiciada como mentora do crime.

Durante coletiva de imprensa na manhã desta terça na capital, o delegado Paulo Martins, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), se disse surpreso com a nova versão apresentada pela defesa da socialite. “Temos plena certeza de que ela tem envolvimento. Todos vão ser ouvidos e todos vão ser interrogados novamente pela justiça. Nós temos a confissão de todos os envolvidos. Temos alguma provas técnicas que não podemos entrar no mérito, mas tudo que nós temos no inquérito já nos mostra bastante convicção”, destacou.

O delegado disse que deverá interrogar Marcelaine na quinta-feira (15). “Quanto à dívida com o suposto empresário, nós ficamos sabendo por meio da imprensa. Esperamos que após o interrogatório dela, tenhamos o inquérito policial encerrado. Baseado no que foi investigado até agora, temos a plena convicção da participação dela”, ressaltou o delegado

Na segunda (12), o Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) deu parecer favorável à saída da socialite do Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF) para prestar depoimento. Ela está detida desde o dia 5 de janeiro deste ano, quando foi presa pela Polícia Federal ao desembarcar em Manaus após ter ido aos Estados Unidos. De acordo com a Polícia Civil, a mulher fugiu para o exterior no dia 12 de novembro do ano passado – mesmo dia em que Denise foi baleada.

Segundo o delegado Paulo Martins, mesmo diante da nova versão, a Polícia Civil vai manter a principal linha de investigação da Delegacia de Homicídios. “Até o presente momento, não tivemos informação oficial sobre essa cobrança de dívida. Pelo depoimento dos envolvidos presos até agora, a versão não vai mudar muita coisa. Estamos aguardando apenas o depoimento dela. Eles dizem que foram contratados porque a Marcelaine queria matar ou aleijar alguém”, reafirmou o delegado.

O delegado disse ainda que o inquérito da Polícia Civil sobre o caso deverá ser concluído com o depoimento de Marcelaine. “No dia seguinte [provavelmente sexta-feira, 16] vai para Justiça e aí começa a tramitar no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM)”, informou.

Questionado pelo G1 sobre a prisão de uma sexta pessoa envolvida no caso, o delegado Paulo Martins informou que o vigilante, que seria amigo de faculdade da socialite e teria contatado um outro envolvido no caso, foi indiciado. Segundo a polícia, o vigilante teria recusado uma proposta de R$ 6.500 por medo de cometer o crime.