Prévia da inflação fica em 0,64% em julho e é a maior para o mês em 14 anos

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, apresentou nesta sexta-feira (20) o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA-15) para o mês de julho. O IPCA-15 é uma prévia da inflação oficial do país e desacelerou de 1,11% para 0,64% de junho para julho.

Mesmo com a queda, essa foi a maior taxa para o mês de julho desde 2004, quando o índice registrado foi de 0,93%. No acumulado em 2018, o avanço é de 3%.

Já no acumulado nos últimos 12 meses, o IPCA-15 apresentou uma aceleração e está em 4,53%, número acima dos 3,68% registrados nos 12 meses anteriores. A taxa também está um pouco acima do centro da meta da inflação do Banco Central para o ano, que é de 4,5%. No entanto, a referência para a meta do Banco Central é o IPCA calculado no fim do ano.

O mês de junho deste ano registrou uma disparada no preço das mercadorias. A consequência disso foi a maior variação para a taxa do IPCA, que foi de 1,11% para o mês de junho desde 1995. Uma das explicações para esse aumento foi a paralisação dos caminhoneiros que aconteceu em todo o país no fim de maio, que durou 11 dias e prejudicou o abastecimento de mercadorias em todo o país.

Segundo o IBGE, mesmo com a desaceleração de junho para julho, os preços dos grupos de alimentação e bebidas, com 0,61%, transportes, 0,79%, e habitação, 1,99%, foram responsáveis por 95% do índice.

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 14 de junho a 12 de julho e comparados com aqueles vigentes de 16 de maio a 13 de junho.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes