Produção de bicicletas avança 31,7% em julho, diz ABRACICLO

Com a expansão dos negócios, o volume produzido nos primeiros sete meses do ano já está 10,5% superior ao de igual período de 2017

As fabricantes de bicicletas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) produziram 67.068 unidades em julho, volume 31,7% superior em relação a junho passado (50.929 unidades). Na comparação de julho deste ano com o mesmo mês do ano passado (64.966 unidades), a produção cresceu 3,2%, conforme dados divulgados pela ABRACICLO – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares.

A expansão da produção também ocorreu no volume acumulado dos sete meses deste ano, que totalizou 399.086 bicicletas. Na comparação com igual período do ano passado (361.241 unidades), houve uma elevação de 10,5%.

Estas fabricantes são responsáveis pelos produtos de 10 marcas: Caloi, Cannondale, GT, Schwinn, Houston, Audax, Sense, Sense e-bikes (elétricas), Oggi e Ox.

Na análise de João Ludgero, vice-presidente do Segmento de Bicicletas da Abraciclo, a expansão da produção no PIM vem ocorrendo para atender ao crescimento contínuo da demanda pelo produto em cidades de médio e grande portes do País, onde a opção pela bicicleta para práticas de esporte e lazer tem se tornado cada vez mais comum. “Além disso, as redes cicloviárias continuam a crescer nos municípios e, desta forma, estimulam o uso das bicicletas das categorias Street e até mesmo Mountain Bike para os deslocamentos urbanos no dia a dia”, afirma, lembrando, ainda, que os consumidores buscam cada vez mais os produtos de maior valor agregado, que são exatamente os fabricados no PIM.

Devido ao bom desempenho registrado no primeiro semestre a entidade já havia revisado para cima sua projeção inicial e, agora, espera produzir 765.000 unidades em 2018, o que representará um crescimento de 15% sobre as 667.363 unidades fabricadas no ano passado. A projeção inicial era de uma alta de 9% na produção de 2018, alcançando 727 mil unidades.

Desempenho por Categorias

Os dados divulgados pela entidade mostram também que em julho foram produzidas 40.543 bicicletas da categoria Urbana, correspondendo a uma expansão de 65,1% sobre junho (24.558 unidades). Mountain Bike, MTB, contou com 26.092 unidades, volume 0,5% maior em comparação com o mês anterior (25.950 unidades). A categoria Estrada totalizou 433 unidades, significando um aumento de 2,9% sobre junho (421 unidades).

Em termos de participação na produção total, a Urbana aparece no topo com 60,5%, seguida da MTB, com 38,9%, e da Estrada, com 0,6%. Vale destacar que o segmento MTB vem crescendo principalmente porque envolve um tipo de bicicleta que passou a ser utilizado nas cidades, apesar de sua aplicação clássica como veículo off-road.

Confira a seguir as características básicas das bicicletas de cada categoria:

Urbana/Recreacional – caracterizada pelas bicicletas projetadas para mobilidade urbana ou recreação fora da terra. Para isto, oferecem mais conforto, com posição de pedalar mais confortável, amortecimento frontal ou não, pneus slick (com banda lisa) e semi-slick (banda com cravos bem baixos ou desenhos), para-lamas ou não e luzes de segurança.

Mountain Bike – bicicletas destinadas ao público adulto, geralmente com aros de 26 a 29 polegadas, quadros full-suspension e/ou amortecimento frontal. Ideais para o uso em trilhas e terrenos acidentados.

Estrada – bicicletas com aro de 700 milímetros, pneus estreitos tipo slick e quadro e garfo sem amortecimento. Destinadas às modalidades de performance no asfalto.

Ainda segundo os dados da entidade, de janeiro a julho os volumes de bicicletas produzidos no PIM foram distribuídos, para a comercialização, para as seguintes regiões do País: Sudeste, com 53,2% das unidades; Sul, 20,5%; Nordeste, 14,2%; Centro-Oeste, 7%; e Norte, com 5,1%.

Importações e Exportações

De acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) analisados pela Abraciclo, a importação de bicicletas em todo o território nacional totalizou 7.360 unidades em julho, volume 2,2% abaixo do registrado em igual período de 2017 (7.527 unidades) e 47,6% menor que o realizado em junho passado. As bicicletas importadas vieram basicamente da China (5.960), Taiwan (960) e Estados Unidos (282 unidades).

No acumulado de janeiro a julho, as importações de bicicletas totalizaram 60.316 unidades, correspondendo a uma redução de 4,2% ante o mesmo período de 2017 (62.936 unidades).

As operações de exportações envolveram 11.303 bicicletas em julho. Este volume é 39% inferior ao registrado no mesmo mês de 2017 (18.560 unidades), porém extremamente superior ao de junho passado, quando apenas 84 unidades foram exportadas. Os principais destinos destas exportações foram o Paraguai, que absorveu 8.500 unidades, e o Uruguai, com 2.802 unidades.

O volume acumulado de exportações de janeiro a julho chegou a 15.670 unidades, representando uma redução de 25,5% em comparação com igual período de 2017 (21.042 unidades). Além do Paraguai e Uruguai, dois outros destinos se destacaram nas exportações acumuladas até julho: Bolívia e México, nesta ordem.

Sobre a ABRACICLO e o Setor de Duas Rodas

Com 42 anos de história e contando com 14 associadas, a ABRACICLO – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – representa, no país, os interesses dos fabricantes de veículos de duas rodas, além de investir em ações visando a paz no trânsito e a prática da pilotagem segura.

A fabricação nacional de motocicletas, quase totalmente concentrada no Polo Industrial de Manaus (PIM), está entre as oito maiores do mundo. No segmento de bicicletas, com as principais fábricas também instaladas no PIM, o Brasil se encontra na quarta posição entre os principais produtores mundiais. No total, as fabricantes do Setor de Duas Rodas geram mais 12 mil empregos diretos no PIM.