Produção de Motocicletas aumenta em julho

Com alta de 34,7% sobre o mesmo mês do ano passado, indústria segue com perspectivas positivas de negócios para o segundo semestre

As fabricantes de motocicletas produziram 96.277 unidades em julho, o que representa um avanço de 34,7% sobre o mesmo período do ano passado (71.482 unidades). Na comparação com junho (50.118 unidades), o aumento é ainda mais expressivo: 92,1%. Já no acumulado dos sete meses, saíram das linhas de produção 590.961 motos, alta de 19,3% sobre o mesmo período do ano passado (495.232 unidades).

Para Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, fatores como a ampliação da oferta de crédito e maior participação do consórcio estão sendo fundamentais para bons resultados. Com isso, a Abraciclo revisou recentemente para cima a projeção em relação ao volume de produção esperado para este ano, passando de 935 mil para 980 mil unidades, o que significa um crescimento de 11% em 2018, na comparação com o ano passado. Pela previsão inicial a produção cresceria 5,9%.

Na análise de vendas para o atacado – motocicletas destinadas às concessionárias – foi verificado um aumento de 36,9% em julho (88.773) na comparação com o mesmo mês do ano passado (64.830 unidades). Em relação a junho (50.833 unidades) a alta foi de 74,6%. Já no acumulado de janeiro a julho, foram vendidas 540.084 unidades, correspondendo a um aumento de 15,6% sobre igual período de 2017 (467.143 unidades).

Entre as categorias mais comercializadas em julho, os destaques foram a Street, que aparece no topo do ranking com 51,2% de participação (45.482 unidades), a Trail, com 19,8% (17.548), e a Motoneta, com 15,3% (13.571). Na sequência, vieram Scooter, com 7,2% (6.419), e Naked, com 2,2% (1.927 unidades).

Confira a seguir as características básicas das motocicletas de cada categoria:

Street – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso urbano.

Trail – Motocicleta de baixa ou média cilindrada destinada ao uso misto, tanto em vias pavimentadas quanto em terreno não pavimentado.

Motoneta – motociclo tipo underbone, pilotado com o condutor na posição sentado, destinado ao uso urbano, de baixa cilindrada e dotado de câmbio automático ou semiautomático.

Scooter – Motociclo pilotado com o condutor na posição sentado e dotado de câmbio automático ou semiautomático, concebido para privilegiar o conforto.

Naked – Motocicleta sem carenagem, com motor propositalmente exposto e de alto desempenho, concebida para a utilização em terrenos pavimentados. Semelhante a uma motocicleta versão “sport”, sem a carenagem.

Big Trail – Motocicleta de média ou alta cilindrada destinada ao uso misto em terrenos pavimentados e não pavimentados.

Off Road – Motocicleta de qualquer cilindrada destinada exclusivamente à utilização em pisos não pavimentados.

Custom – Motocicleta caracterizada por sua vocação para percursos de estrada, destacadamente os mais longos, chamadas de “estradeiras”, que não priorizam velocidade e, sim, conforto.

Sport – Motocicletas de cilindradas médias ou superiores com carenagem que privilegia a aerodinâmica e o alto desempenho.

Ciclomotor – Veículo de duas ou três rodas, provido de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a 50 cm³.

Touring – Motocicletas usualmente de alta cilindrada concebidas para a utilização em turismo e viagens de grandes distâncias.

Emplacamentos

Com base nos dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), as vendas no varejo totalizaram 76.226 unidades em julho, representando uma alta de 8,4% sobre o mesmo mês de 2017 (70.320 unidades). Na comparação com junho (74.069 unidades) o crescimento foi de 2,9%. Já no acumulado dos sete meses as vendas no varejo cresceram 7,1%, sendo 532.955 neste ano e 497.518 unidades no ano passado.

A média diária de vendas em julho ficou em 3.465 unidades, com 22 dias úteis, correspondendo a uma alta de 3,5% sobre o mesmo mês do ano passado (3.349 unidades), que teve 21 dias úteis. Na comparação com junho houve recuo de 1,8% (3.527 unidades).

Exportações

Em julho foram enviadas para outros países 5.229 motocicletas fabricadas no Brasil, o que representa recuo de 37,6% sobre o mesmo mês do ano passado (8.380 unidades). Na comparação com junho (4.404 unidades) houve alta de 18,7%. Com relação ao desempenho no acumulado dos sete meses, foram exportadas 46.259 motocicletas, aumento de 13,4% sobre as 40.797 unidades registradas no mesmo período do ano passado. Os principais destinos neste período foram, pela ordem, a Argentina, Estados Unidos e Colômbia.