Suposto pivô de crime confirma caso com socialite e encontros com vítima

_Picon.320-240Adneison Severiano – Do G1 AM

Em depoimento à Polícia Civil, o homem que teria motivado a tentativa de homicídio contra a estudante de Direito Denise Almeida Silva, de 34 anos, disse que mantinha “amizade estreita” com a vítima e com a socialite Marcelaine Santos Schumann, de 36 anos, apontada como mandante do crime. A TV Amazonas teve acesso às declarações do empresário, de 49 anos, dadas à polícia em novembro de 2014. Segundo as investigações, Marcelaine fugiu para os EUA no dia do crime. Ela foi presa no dia 5 de janeiro ao retornar ao Amazonas.

O empresário concedeu depoimento na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequetros (DEHS) no dia 17 de novembro do ano passado, cinco dias após o crime ter ocorrido. Ele afirmou conhecer Denise Silva, “mantendo com ela há dois anos e um mês uma amizade estreita, em que trocavam ligações, mensagens telefônicas e se encontravam com frequência”.

O amante contou à polícia que é casado há 18 anos e sabia que a estudante de Direito também era casada há bastante tempo. O homem afirmou que os dois mantinham contato escondido.

O empresário disse ainda que mantinha um relacionamento com Marcelaine Schumann há nove anos, mesmo sabendo que a socialite também era casada.

A socialite teria descoberto a “amizade estreita” entre Denise e o empresário há cerca de um ano e três meses, passando a confrontar o amante, a estudante e o marido dela, segundo o depoimento.

De acordo com as declarações, Denise e Marcelaine chegaram a se encontrar pessoalmente em setembro de 2014. Na ocasião, que teria ocorrido em uma panificadora do bairro Vieiralves, na Zona Centro-Sul de Manaus, a socialite pediu desculpas pelos danos causados ao casamento da estudante, e ambas teriam pactuado o rompimento com o empresário. Entretanto, os relacionamentos foram mantidos com as duas, conforme o empresário afirmou à polícia. Ele disse que Marcelaine chegou a segui-los e gravar imagens de um encontro no Parque do Idoso, também situado na Zona Centro-Sul da capital.

O empresário revelou ainda que Denise Silva ligou para ele logo depois de ter sido baleada, por volta das 8h do dia 12. No mesmo dia, o homem falou com a socialite sobre o crime.

O homem relatou à Polícia Civil que após a tentativa de homicídio, recebeu do marido da vítima – o advogado Erivelton Barreto – a seguinte mensagem: “Vou acertar as contas com você!”. Ao G1 Erivelton Barreto negou, na manhã desta segunda-feira (12), que tenha realizado as ligações.

O G1 tentou contato com o suposto pivô do crime. No entanto, o homem se negou a falar sobre o caso. Ele se limitou a dizer que não tem o nome citado em processo e que declarações serão dadas somente à polícia.

Em entrevista ao G1 e à TV Amazonas no dia 19 de dezembro, a universitária Denise Silva negou que tenha mantido relação extraconjugal com o suposto amante da socialite Marcelaine. Ela disse que recebia ameaças de Marcelaine há seis meses, e negou conhecer o homem antes das supostas ameaças da mulher. “Não sou amante dessa pessoa, nunca tive nada próximo dessa pessoa”, contestou ao ser questionada.

Já Marcelaine Schumann não quis comentar o assunto quando foi detida pela Polícia Federal ao voltar a Manaus. A socialite poderá ser ouvida pela Polícia Civil no próximo dia 15.