Tecnologia em excesso é um perigo e pode prejudicar o desenvolvimento de crianças e adolescentes

Os benefícios das tecnologias são indiscutíveis. Mas o que as pessoas não costumam reparar são os problemas causados pelo uso excessivo de celulares, computadores e tablets, principalmente por crianças e adolescentes. A pesquisadora e membro da Sociedade Brasileira de Pediatria, Evelyn Eisenstein, enumera alguns sintomas físicos e psicológicos e alerta para a segurança deste público.

“Nós estamos falando de transtorno de sono, estamos falando de problemas de audição, problemas de visão, ansiedade, depressão, transtornos comportamentais e queda do rendimento escolar. Os pais precisam exercer o papel de mediadores. Saber o que seus filhos estão acessando nas redes”.

A consultora de imagem Clarissa Ludovico têm três filhos e um enteado com diferentes idades. Ela conta que consegue controlar os acessos das filhas menores, de quatro anos e de nove meses. Mas já com os mais velhos, não é tão fácil. Clarissa conta como é o caso do Rafael, de treze anos.

“Ele é totalmente tecnológico. Desde os oito anos ele tem celular. Eu acho ruim isso, acho meio exagerado. Na escola também, tudo que ele faz é no computador. É tudo mais informatizado. Não tem como escapulir de tudo isso. Pensando bem, é um acesso muito fácil a muita coisa perigosa. Realmente eu entendo que é muito sério e que tem que ser controlado sim”.

A Sociedade Brasileira de Pediatria indica que os pais evitem o abandono afetivo dos filhos, coloquem regras sobre o uso das tecnologias, como o tempo gasto com os eletrônicos, e busquem impedir o uso por parte de crianças menores de dois anos. Para saber mais, acesse reportagem especial em www.blog.saude.gov.br.

Reportagem, Erika Braz.