Teto para comprar imóvel com FGTS sobe para R$ 1,5 milhão em todo o país

O governo elevou, nesta terça-feira (31), o limite de valor dos financiamentos de imóveis com o uso de recursos do FGTS. Segundo o Conselho Monetário Nacional, o CMN, o teto do imóvel financiado dentro do Sistema Financeiro de Habitação, o SFH, irá subir para R$ 1,5 milhão em todos os estados do país e no Distrito Federal. As mudanças entrarão em vigor a partir de janeiro de 2019.

Para o presidente da Associação Brasileira de Mercado Imobiliário, Fernando Gonçalves dos Reis, a elevação do limite dos financiamentos de imóveis com uso dos recursos do FGTS irá ser positivo para a população.

“Nós vemos essa medida como muito positiva e sem dúvida nenhuma vem ao encontro das demandas do segmento, principalmente, ao encontro das demandas da sociedade, que busca formas de facilitar o acesso à casa própria ou de melhorar a condição da sua atual moradia.”

O Sistema Financeiro de Habitação empresta dinheiro com recursos do FGTS com juros menores do que as taxas de mercado. Concedidos com recursos do FGTS e da poupança, os financiamentos do SFH cobram juros de até 12% ao ano. Acima desses valores, valem as normas do Sistema Financeiro Imobiliário, com taxas mais altas e definidas livremente pelo mercado. O programa é responsável pela maioria dos financiamentos imobiliários no Brasil. Fernando Gonçalves dos Reis acredita que a medida anunciada pelo CMN irá contribuir com a economia brasileira.

“Fazendo uma retomada nesse setor, os indicadores econômicos como um todo, os indicadores macroeconômicos do país tendem a ter esse reflexo e a economia como um todo melhora um pouco o seu desempenho, melhorando inclusive também a geração de empregos. O setor da construção civil continua sendo um dos setores que desemprego muito e que ainda não retomou essas contratações.”

Além de elevar o teto dos financiamentos com recursos do FGTS, o CMN flexibilizou a parcela que os bancos são obrigados a aplicar em crédito imobiliário. Até agora, os bancos precisavam destinar 65% dos recursos da poupança para o financiamento de imóveis, dos quais 80% deveriam ser empregados no SFH. Com a decisão de hoje, o sublimite de 80% será usado até o fim deste ano. Dessa forma, os bancos poderão usar os recursos da poupança para financiarem imóveis de qualquer valor, a critério de cada instituição.

O anúncio da elevação do limite de valor dos financiamentos de imóveis com o uso de recursos do FGTS foi feito no mesmo dia em que a Caixa anunciou redução de juros para crédito imobiliário direcionado às empresas. Essas medidas foram tomadas para estimular a construção civil, cujo PIB caiu 5% no ano passado, a maior queda registrada entre todos os setores analisados pelo IBGE.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes