Treinamento em prevenção à mortalidade materna inicia nesta terça-feira

A Secretaria Estadual de Saúde (Susam) iniciou nesta terça-feira (28/08) um curso de Suporte Avançado em Vida, voltado para profissionais que atuam em maternidades da capital.

No treinamento, médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem receberão informações sobre os procedimentos adequados a serem adotados em casos de parada cardiorrespiratórias de pacientes. Realizado com o apoio de profissionais do Núcleo de Educação Permanente do Samu, da Secretaria de Municipal de Saúde (Manaus), o curso faz parte das estratégias da Susam para evitar a mortalidade materna nas maternidades.

As ações são articuladas pela Coordenação Estadual de Saúde da Mulher/Rede Cegonha e Gerências de Maternidades, e faz parte do plano estadual de Prevenção ao Óbito Materno. Colocado em execução nesta gestão, o plano promove ações de qualificação de profissionais da capital e do interior e aperfeiçoamento das rotinas de acolhimento das mulheres nas maternidades e unidades hospitalares.

Em junho, a Susam capacitou 162 profissionais que atuam na área de obstetrícia, nas unidades da rede pública, na capital e interior. No curso de Suporte Básico de Vida em Urgência e Emergência, médicos e enfermeiros receberam informações teóricas e práticas de como proceder em determinadas intercorrências de urgência e emergência, durante partos. Agora será a vez de oferecer o curso Suporte Avançado em Vida.

De acordo com a coordenadora de Saúde da Mulher/Rede Cegonha da Susam, Sandra Cavalcante, o nível de conhecimento técnico dos profissionais também tem relação com a mortalidade materna, por isso, é uma meta perseguida pelo plano. “A gente vai qualificar esses profissionais com o curso de urgência e emergência obstétrica. É um curso ofertado no Brasil por uma equipe de São Paulo. A gente conseguiu e já tem recurso para isso. A gente tem mexido com a rede, que está sensibilizada com a causa da morte materna”, destaca Sandra.

A primeira turma será formada por profissionais da Maternidade Ana Braga. No dia 10 de setembro será a vez da Balbina Mestrinho, e em seguida a Maternidade Moura Tapajós, administrada pelo município de Manaus.

Ação prevê oferta do curso para todas as maternidades da capital do Amazonas. E em seguida levá-lo para unidades do interior. A Susam ressalta que, no Amazonas, a taxa de mortalidade materna registrou queda nos últimos quatro anos. A taxa, que em 2014 chegou a ser de 100,3 óbitos para 100 mil nascimentos (número absoluto de 76 óbitos), em 2017 registrou 62,0 óbitos/100 mil nascimentos (número absoluto de 45 óbitos).

O Plano Estadual de Prevenção ao Óbito Materno foi construído por uma equipe multiprofissional e, à medida que vem sendo executado, os resultados e ajustes vão sendo debatidos dentro de colegiados que discutem as políticas de combate à mortalidade materna, como o Fórum Perinatal do Amazonas.

FOTO: DIVULGAÇÃO/SUSAM